Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Uber é multada em US$ 649 milhões por não tratar motoristas como funcionários

O valor corresponde a impostos atrasados, referentes a seguro desemprego e invalidez

O estado americano de Nova Jersey pediu que a Uber pague US$ 649 milhões por causa de impostos atrasados referente a contratações e empregos, referentes de seus motoristas. As autoridades dizem que a empresa de transporte por aplicativo classificou erroneamente os trabalhadores como prestadores de serviços independentes, e não como empregados.

O Departamento do Trabalho e Desenvolvimento da Mão de Obra emitiu a solicitação de pagamento nesta semana para a Uber e uma subsidiária, Raiser, após uma auditoria descobrir que US$ 530 milhões em impostos atrasados não pagos por seguro de desemprego e invalidez, entre 2014 e 2018.

“O Departamento de Trabalho e Desenvolvimento da Força de Trabalho de Nova Jersey está atacando a classificação incorreta dos funcionários porque isso sufoca nossa força de trabalho e inflige um enorme custo financeiro à nossa economia”, afirmou Robert Asaro-Angelo, comissário do departamento, em comunicado. Grupos trabalhistas elogiaram a ação de Nova Jersey.

Por causa do não pagamento, Nova Jersey está pedindo mais US$ 119 milhões em juros. O caso representa uma escalada na maneira como os estados americanos veem as práticas de emprego no centro de muitas empresas baseadas em aplicativos, e a primeira vez que um governo local solicita o pagamento atrasado de impostos, que tem centenas de milhares de motoristas nos Estados Unidos. Uma porta-voz da Uber disse que a empresa contestou as conclusões das autoridades estatais.

Nos Estados Unidos, estados e cidades se mobilizaram para controlar empresas de economia “alternativa” que dependem de mão de obra barata e independente, para reformular seus modelos de negócios. Até agora, essas empresas conseguiram reprimir as tentativas de alterar a tendência de décadas de terceirização e franquias. Os custos trabalhistas de empresas como Uber e Lyft – outro aplicativo de transporte de passageiros – podem aumentar de 20% a 30% se for exigido pelos órgãos reguladores ou pelos tribunais que tratem seus motoristas como funcionários, de acordo com estimativas do setor.

“É uma repreensão ardilosa aos arquitetos da economia ‘alternativa’, e esperamos que permeie outros setores”, disse Bhairavi Desai, diretor-executivo do Sindicato dos Trabalhadores em Táxis de Nova York, em um comunicado. “Nova Jersey está enviando a mensagem de que as leis trabalhistas do Estado não são ditadas pelas empresas”.

Por The New York Times

Notícias relacionadas

Deixe um comentário