Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Trabalho dos sonhos? Estudo aponta que 88% dos jovens brasileiros aspiram um emprego neste setor
Segundo relatório, a maior parte da população que tem entre 15 e 39 anos está à procura de companhias que demonstrem compromissos efetivos com a sustentabilidade ambiental; entenda o porquê
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Rowan Jordan/Getty Images)

Não é novidade para ninguém que as novas gerações têm um olhar diferente sobre o mercado de trabalho – e, não raro, priorizam o propósito por trás de uma carreira antes mesmo da remuneração ou estabilidade oferecidas por ela.

Mas, apesar de essa ser uma tendência observada no mundo todo, no Brasil, o nível de interesse dos jovens por trabalhar em companhias comprometidas com a construção de um futuro mais verde e inclusivo para a humanidade chama ainda mais atenção.

Para se ter ideia, de acordo com uma pesquisa da consultoria Accenture, 88% dos brasileiros que têm entre 15 e 39 anos “aspiraram a trabalhar na economia verde” nos próximos 10 anos. A nível de comparação, na Europa e nos Estados Unidos, esse percentual foi de 57% e 52%, respectivamente. Veja no gráfico abaixo.

“Enquanto bons salários, estabilidade e oportunidade continuam a ser motivadores, as pessoas jovens também estão à procura de companhias que ofereçam empregos verdes atraentes e demonstrem compromissos efetivos com a sustentabilidade ambiental”, diz um trecho do relatório.

A boa notícia é que, com a expansão do setor ESG no Brasil, salários altos e propósito passam a estar do mesmo lado da equação – fazendo com que o país se distancie cada vez mais da realidade em que era preciso escolher um em detrimento do outro.

A profissão do momento

De acordo com dados da consultoria britânica GlobalData, as vagas em ESG aumentaram 98% no último ano, passando de 531 postos em maio de 2021 para 1.049 em maio deste ano. Já na pesquisa da Accenture, a estimativa é de que sejam criados 22,5 milhões de empregos verdes nos próximos 10 anos.

Acontece que, apesar do número de pessoas interessadas em trabalhar na área – e da alta demanda das empresas por esse tipo de profissional – ainda há poucas pessoas capacitadas para preencher estas vagas. Para se ter ideia, em um levantamento realizado pelo CFA Institute, menos de 1% das 1 milhão de contas analisadas no LinkedIn tinha as habilidades necessárias para atuar na área.

O resultado dessa defasagem faz com que, numa verdadeira briga por talentos, as empresas ofereçam salários cada vez mais atrativos.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.