Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
‘Ser pago para beber cerveja é um sonho tornado realidade’, diz escolhido pela Guinness de Portugal
Page/Post Excerpt

O Globo

Escolhido entre mais de 10 mil candidatos de todo o mundo, o lisboeta Bernardo Andrade Rodrigues ocupa desde o início do mês o cargo de profissional de cerveja da Guinness em Portugal. Bernardo, de 39 anos, participou da campanha lançada pela cervejaria em março e foi contratado por seis meses, com um salário de 1.500 euros por mês (cerca de R$ 4.500). Formado em economia, com mestrado em tecnologia e em ciências gastronômicas e cursos de ator e roteiro, Bernardo atribui à sua experiência acadêmica e paixão pela gastronomia o fato de ter sido selecionado pela cervejaria — e ao seu gosto por tomar cerveja, é claro.

— Beber e fazer cerveja são duas das minhas atividades preferidas — conta Rodrigues, que também é dono de um restaurante nos arredores de Lisboa, em entrevista por e-mail ao Boa Chance. — Além disso, tenho competências a nível da gastronomia, de fazer cerveja, da escrita e de vídeo, skills que acabam por ser essenciais para o desenvolvimento da profissão.

No início de julho, Rodrigues embarcou para sua primeira experiência profissional: uma viagem á fábrica da Guinness, na Irlanda, para receber formação para exercer o cargo, que, entre suas atribuições, exige a degustação da cerveja, visitar bares e relatar as experiências nas redes sociais. Rotina, que apesar de divertida, não é tão fácil, segundo o lisboeta:

— A minha rotina não é nada fácil. Ser Profissional da Cerveja é, ao contrário do que as pessoas pensam, um trabalho muito exigente. As pessoas não imaginam o esforço e concentração que são necessários para manter o copo equilibrado cada vez que bebo um chope perfeito. Visto o meu uniforme de Profissional da Cerveja com orgulho e encaro o almoço com o maior profissionalismo que se pode exigir, porque este é o momento em que bebo a primeira pint do dia — brinca Rodrigues, que lista a parte séria do trabalho. — Durante a tarde ocupo a minha agenda com workshops sobre a Guinness nos diversos irish pubs de Portugal. Ensino a tirar o pint perfeito e inclusivamente dou alguns exemplos criativos de como o fazer. Outra das minhas tarefas passa por partilhar os valores da marca, como a amizade, e dar a conhecer algumas curiosidades nas redes sociais.

Ele diz que os amigos e familiares ficaram com um sentimento de “inveja saudável” quando souberam que ele havia sido o escolhido para o cargo, mas que a maioria das pessoas se surpreende quando ele conta que é pago para ser um profissional da cerveja.

— Para beber cerveja não é preciso ser profissional, é apenas preciso gostar. Por isso é normal que tenha de fazer mais do que isso. Mas não vou negar que é uma grande parte do meu trabalho e que ser pago para o fazer é um sonho tornado realidade.

O contrato com a Guinness acaba no fim do ano, mas Rodrigueso não está preocupado com o que vai acontecer depois disso.

— Não penso muito no futuro para ser sincero. Gosto de estar focado no que estou a viver no momento e por agora estou a adorar ser Profissional da Cerveja. Gostarmos do que fazemos é certamente o mais importante e é o que vou continuar a fazer quando esta etapa terminar.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.