Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Quase 80% dos profissionais de tecnologia pediriam demissão para não abrir mão do home office
Pesquisa da Revelo, startup de recrutamento especializada em tecnologia, ainda apontou que 59,6% dos trabalhadores sequer considerariam aceitar propostas de emprego caso o modelo de trabalho seja presencial
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Charday Penn/Getty Images)

Que o home office caiu no gosto dos profissionais brasileiros isso não é novidade. Mas, a adesão ao trabalho remoto pelos profissionais de tech é ainda maior do que se imagina: 79,1% deles considerariam trocar de emprego caso a empresa em que trabalham atualmente exigisse a volta ao presencial.

Pelo menos é isso que aponta uma nova pesquisa realizada pela Revelo, startup de recrutamento especializada em tecnologia, que ouviu 530 profissionais de tecnologia durante os meses de setembro e outubro.

O levantamento ainda apontou que 76,2% dos profissionais trabalhavam presencialmente antes da pandemia e apenas 15,6% já estavam no modelo remoto.

Apesar disso, a flexibilidade conquistada durante o isolamento mudou os hábitos dos trabalhadores de tal forma que o home office, hoje, é o modelo de trabalho preferido de 83,4% dos entrevistados. somente 16,2% optam pelo regime híbrido.

Flexibilidade e menos tempo no trânsito: benefícios do home office

Outros 59,6% afirmaram que não consideram aceitar propostas de emprego caso o modelo de trabalho seja presencial. Já 40,4% estão abertos a avaliar e aceitar trabalhos que exigissem a ida ao escritório.

Entre os benefícios que levam a escolher o home office, 25,7% dos entrevistados citaram a economia de tempo gasto no trânsito. Logo em seguida, 21,4% escolheram trabalhar em casa pela flexibilidade no dia a dia.

Já 21,4% optaram pela modalidade pois permite fazer suas atividades em vários lugares e cidades diferentes. Além disso, 11,5% escolheram por ser um ambiente favorável para concentração e foco e 11,2% por sobrar mais tempo com a família.

Mesmo assim, 65,9% dos profissionais afirmam que a principal vantagem do trabalho presencial é a interação com os colegas no escritório. Outros 9,1% dizem que a estrutura e equipamentos, como as mesas, cadeiras e computadores, contribuem para o dia a dia das atividades.

Por fim, os pontos que os trabalhadores também valorizam no presencial são os momentos de descompressão, como as festas e happy hour com os colegas.

Descentralização da força de trabalho

A pesquisa também aumentou um aumento de 12,3% no número de profissionais que não residem na mesma cidade em que está localizado o escritório da empresa.

Como consequência, a prática que já é apontada por especialistas como impulsionadora da diversidade dentro das organizações, contribuiu para uma força de trabalho mais distribuída geograficamente.

Em comparação à mesma pesquisa da Revelo, de 2021, o número de desenvolvedores que moram no sudeste caiu 17,7% neste ano, enquanto profissionais de outras regiões cresceram entre 42% a 50%, dependendo da localidade do país.

O estudo, que também ouviu 35 empresas de tecnologia, apontou que 42,1% delas dizem que a principal dificuldade na hora da contratação é a desistência dos candidatos.

Outros 26,3% pontuaram a escassez de profissionais, 15,3% reiteraram o tempo gasto em trânsito e 10,5% escolheram a opção de alta pretensão salarial.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.