Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Qual é o pior tipo de profissional numa equipe?
Page/Post Excerpt

O Globo

Muitas são as características analisadas por gestores no momento da contratação. No entanto, alguns candidatos escondem traços de sua personalidade, mesmo involuntariamente, e revelam como realmente são apenas na convivência diária. Quais detalhes comportamentais causam mais incômodos em uma equipe? Para saber qual o perfil de profissional mais negativo no mercado de trabalho, o Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) ouviu 6.945 estudantes, com idade entre 15 e 26 anos, de todo o país.

De acordo com as respostas dos entrevistados, a primeira posição ficou por conta daqueles responsáveis por conduzirem as conversas paralelas, a respeito de terceiros e de cunho negativo: o “fofoqueiro” obteve 1.905 votos (27,43%). Na sequência e com uma diferença pequena com relação ao líder da pesquisa, surge o “enrolador”, aquele que aparentemente se mostra atarefado, mas, no fim das contas, apresenta pouca produção e iniciativa, que obteve o voto de 1.896 dos participantes, totalizando 27%.

— O clima organizacional faz toda a diferença. Quando há uma maçã podre no círculo de convivência, todos os integrantes de uma equipe acabam contaminados. Por isso, tanto quem faz fofoca, como os enroladores prejudicam o ambiente por inteiro e são mal vistos pelos colegas — garante a coordenadora de treinamento e desenvolvimento do Nube, Yolanda Brandão.

Acordar de mau humor e descontar nos companheiros de setor também representa uma atitude capaz de colocar o cargo do funcionário em risco, mostra a pesquisa. O famoso “ranzinza” — aquele funcionário com a prática habitual de reclamar de tudo e todos — concentrou 1.580 votos (23%).

— Quando está no início da carreira, o jovem carrega hábitos rotineiros para o trabalho. Se está de mal com a vida, desconta em quem está mais perto. Inexistindo contato próximo com os pais ou com a pessoa que tem um relacionamento afetivo, acha normal desabafar ou destratar parceiros de equipe, algo extremamente imaturo — analisa Yolanda.

Por fim, as opções “pavão”, aquele que gosta de ser o foco das atenções e apenas comentar seus bons resultados, e “bajulador”, aquele com estratégia focada na tentativa de criar laços em busca de benefícios, obtiveram 13% e 9% respectivamente.

— Quando o gestor pensa em promoções ou imagina em qual pessoa da equipe pode confiar plenamente ou não, todos os pontos citados na pesquisa são analisados — garante a gestora do Nube.

Para a sócia-diretora da Yluminarh e professora do Ibmec, Ylana Miller, todos os perfis apresentados na pesquisa são prejudiciais à carreira do profissional, além de comprometer a sua imagem na empresa e no mercado.

— É difícil elencar o perfil menos pior. O profissional que preza por relações éticas não é fofoqueiro e muito menos enrolador; jamais será ranzinza e sim, otimista. E promoverá um ambiente agradável, além de não ter a necessidade de aparecer (pavão) ou bajular alguém em prol de seus interesses — afirma Ylana, acrescentando que rótulos, sejam quais forem, são muito prejudiciais ao profissional.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.