Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Quais são as obrigações da empresa durante o período de aviso prévio do trabalhador?
Advogado fala sobre os direitos e deveres que um funcionário tem durante o processo de desligamento
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Imagem criada por inteligência artificial)

O contrato de trabalho entre empregado e empregador na maioria das vezes não possui data previamente definida para terminar. Com vistas a evitar que tanto uma parte como a outra sejam surpreendidas pelo repentino término do contrato, há a obrigação de aquele que deseja encerrá-lo comunicar sua intenção com determinada antecedência. Isso vale para o trabalhador e para o empregador.

Quando o trabalhador pede demissão

No caso de o trabalhador pedir demissão deverá ser comunicado um aviso prévio de 30 dias à empresa, período no qual o empregado deverá trabalhar normalmente. Se ele pretender não cumprir esse período poderá solicitar ao empregador sua dispensa, que a seu critério poderá concedê-la ou não.

Em caso de dispensa sem justa causa

Já na hipótese de o emprego ter sido dispensado sem justa causa, ele tem direito a um aviso prévio que corresponderá ao período de 30 dias a 90 dias conforme o tempo de trabalho na empresa e que a critério do empregador poderá ser indenizado ou trabalhado.

Se indenizado, o trabalhador recebe por todo o período do aviso-prévio, porém, sem a necessidade de trabalhar, o que não ocorre no aviso-prévio trabalhado, em que são mantidas as atividades do empregado.

No aviso prévio trabalhado a empresa deve permitir a ausência do trabalhador por sete dias consecutivos ou reduzir sua jornada em duas horas diárias durante o período, sem alteração salarial. Uma vez que essa medida busca permitir ao trabalhador procurar outro emprego, ela não é devida na hipótese de pedido de demissão pelo empregado.

O trabalhador demitido tem direito a todos os benefícios?

Além disso, o trabalhador permanece recebendo sua remuneração normalmente durante o aviso prévio trabalhado, inclusive benefícios como vale alimentação, vale transporte e plano de saúde. Se, porém, o aviso prévio for indenizado, o vale transporte não é devido, enquanto o plano de saúde deve ser mantido nesse período. Já em relação ao vale alimentação existe divergência na Justiça do Trabalho sobre sua manutenção ou não.

Também, se a categoria profissional do trabalhador em aviso prévio obter reajuste salarial nesse período, mesmo que o aviso seja indenizado, o reajuste deverá ser aplicado às verbas rescisórias.

Por fim, a empregada grávida e o trabalhador que sofre acidente do trabalho com recebimento de auxílio-doença acidentário adquire estabilidade no emprego ainda que o fato tenha ocorrido durante o aviso-prévio trabalhado. Já na hipótese de aviso prévio indenizado não é possível se falar em acidente do trabalho e somente haverá estabilidade em razão de gravidez.

Por Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.