Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Posso pedir dano moral por fazer horas extras excessivas?
Advogado explica em quais situações as horas extras podem ser consideradas excessivas — e quais as consequências disso para empresas e profissionais
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(FG Trade/Getty Images)

A jornada de trabalho máxima permitida pela legislação trabalhista é de oito horas diárias e quarenta e quatro horas semanais. Como regra geral, nenhum desses dois limites pode ser ultrapassado.

Existem, porém, algumas exceções que são permitidas pela lei. Uma delas é a existência de acordo individual ou coletivo de compensação ou banco de horas, em que o trabalhador em um dia presta horas além de sua jornada e em outro deduz aquelas excedidas.

Outra exceção ao limite de jornada são as horas extras. Por meio delas, o trabalhador excede a jornada normal com o respectivo recebimento de um valor adicional em sua remuneração. Elas são possíveis em situações de emergência da empresa, quando for prevista em convenção ou acordo coletivo ou, ainda, se houver a concordância do trabalhador em prestá-las.

Apesar disso, também as horas extras devem ter um limite. Deve-se lembrar que a limitação das horas de trabalho possui diversos objetivos. O período de descanso do trabalhador é essencial para preservar sua saúde física e psicológica, além de possibilitar que ele se dedique a interesses de natureza pessoal, como à sua família, a atividades esportivas, religiosas ou de qualquer outra espécie.

Em razão disso, as horas extras prestadas em excesso podem gerar o direito a uma indenização ao empregado, denominada dano existencial. Há essa espécie de dano se a empresa exigir tamanha dedicação do trabalhador que não lhe reste tempo e energia para se voltar aos seus próprios interesses, eliminando-lhe a possibilidade de definir os rumos de sua própria vida.

Não existe, porém, uma regra definindo a quantidade mínima de horas extras prestadas para que se possa considerar a ocorrência do dano existencial. Cada caso deve ser analisado em sua individualidade, mas de um modo geral a Justiça do Trabalho considera que a jornada a partir de 12 horas de trabalho por dia prolongada por um longo período caracteriza esse tipo de dano.

Por Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.