Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Na OCDE, Japão tem uma das piores disparidades salariais entre homens e mulheres
Mulheres ganham pouco mais da metade do salário de homens nos bancos do Japão, um dos setores com maior disparidade no país
Por O Globo | Tempo de leitura: 3 min
(Imagem criada por inteligência artificial)

As mulheres que trabalham nos principais bancos do Japão ganham pouco mais da metade do que seus colegas homens, em um exemplo claro da divisão de gênero arraigada no país.

Embora o Japão tenha uma taxa de participação no mercado de trabalho relativamente alta para as mulheres, muitos dos cargos que elas ocupam são de meio período e têm pouca perspectiva de melhores salários ou desenvolvimento de carreira.

Esse ponto foi reiterado por Claudia Goldin, que no mesmo dia ganhou o Prêmio Nobel de Economia por sua pesquisa sobre os fatores por trás das diferenças salariais e de emprego entre homens e mulheres, em comentários divulgados pela mídia japonesa.

As funcionárias ganharam, em média, 54,9% do que os funcionários homens receberam nos cinco maiores bancos do índice de referência Topix, de acordo com suas últimas declarações anuais. O número veio à tona depois que o Japão tornou obrigatória a divulgação das diferenças salariais entre gêneros a partir do ano passado.

De modo geral, o Japão tem uma das piores disparidades salariais entre as nações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com o setor bancário entre os piores infratores, de acordo com uma análise de 2.800 empresas feita pela empresa de consultoria WTW e outros.

As normas de gênero arraigadas do Japão resultaram em uma representação feminina em posições de poder nos negócios ou na política significativamente abaixo de outras economias avançadas. O Japão está em 125º lugar entre 146 países, com desempenho particularmente ruim em participação econômica e capacitação política, de acordo com o relatório de lacunas de gênero de 2023 do Fórum Econômico Mundial.

Os bancos disseram que as mulheres têm salários muito mais baixos, em grande parte porque têm menos representação nos cargos de gerência das empresas. Elas também têm a tendência de assumir funções que recebem salários menores no sistema de contratação de trabalhadores regulares das empresas japonesas, que tem duas faixas.

Uma das faixas, ainda ocupada em sua maior parte por homens, recebe salários muito mais altos e tem maior responsabilidade, mas exige longas horas de trabalho e acarreta o risco de realocação repentina para diferentes partes do Japão.

A outra faixa, quase inteiramente composta por mulheres, recebe um salário muito menor, mas tem menos responsabilidades e, em geral, permite que os trabalhadores permaneçam no mesmo local.

O Sumitomo Mitsui Banking disse que o sistema de duas faixas tem sido um fator importante por trás da diferença, ao mesmo tempo em que destacou que eliminou a estrutura em janeiro de 2020 e está se esforçando para trazer mais mulheres para cargos gerenciais.

O Mizuho Bank também citou o sistema de dois níveis como a razão por trás de sua diferença salarial, dizendo que os homens assumem muito mais as funções de carreira que exigem deslocamento pelo país e, como resultado, recebem mais.

Falta de gestoras

A escassez de gestoras do sexo feminino é uma tendência observada em todas as empresas japonesas, além do setor financeiro. Apenas 12% dos cargos gerenciais são ocupados por mulheres, de acordo com uma pesquisa do Ministério do Trabalho para o ano encerrado em março de 2022.

A mesma pesquisa mostrou que em cerca de 40% das empresas no Japão, apenas homens foram contratados para cargos com plano de carreira.

“Esse também é o caso dos bancos. É muito mais provável que as mulheres sejam contratadas para funções que tenham uma curva de crescimento salarial claramente mais plana em comparação com os homens”, disse Nobuko Nagase, professora de economia do trabalho na Universidade Ochanomizu, em Tóquio.

“Mesmo que elas sejam contratadas para funções em que a curva de crescimento salarial é mais acentuada, elas ainda são promovidas em um ritmo mais lento.”

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.