Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
LinkedIn volta atrás e permite vagas voltadas para candidatos negros
Depois da polêmica na semana passada, empresa reviu sua política para anúncio de oportunidades
Tempo de leitura: < 1 min


(Getty Images/Edward Smith/Getty Images)

O LinkedIn voltou atrás e informou, a partir de hoje, será permitido anunciar na plataforma as vagas afirmativas — aquelas direcionadas a reduzir a desigualdade racial, de gênero, entre outras.

Na semana passada, o Procon-SP havia notificado o LinkedIn a prestar explicações sobre a exclusão de anúncios de vagas de emprego com preferência a candidatos negros e indígenas.

Depois da polêmica que também se alastrou pelas redes sociais, onde foi duramente criticado, o LinkedIn revisou sua política para publicação de oportunidades.

“Atualizamos nossa política de anúnicio de vagas para permitir a divulgação de publicações que expressem preferência por profissionais de grupos historicamente desfavorecidos na contratação em países onde esta prática é considerada legal”, disse o LinkedIn por nota.

“Agradecemos o feedback que recebemos da nossa comunidade no Brasil. Fazer a coisa certa é importante e estamos comprometidos em continuar aprendendo e melhorando.”

Pressão de empresas e redes sociais

Entre as empresa que tiveram suas publicações de ofertas de emprego afirmativas estão a instituição de pesquisa Laut e a startup de tecnologia QuintoAndar.

A Laut discordou da então política aplicada pela rede e considerou a posição incompatível com a lei brasileira e com a jurisprudência consolidada do STF sobre o assunto. Já a Quinto Andar disse que incentiva um ambiente plural e inclusivo e que não concorda com as ações que dificultam a inclusão grupos minorizados no mercado de trabalho.

Na semana passada, a Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial, formada por 60 empresas em prol da diversidade racial, pediu esclarecimentos ao LinkedIn no Brasil e nos Estados Unidos (sede da empresa) quanto às medida adotada. Recebeu apoio de 44 companhias, entre elas, Vivo, Santander, Ambev, Magalu, Unilever, Renault, Itaú, Coca-Cola, Bayer, Natura e Procter & Gamble.

A pressão não é de hoje. Em setemebro de 2020, o Magalu abriu o seu primeiro trainee voltado apenas para candidatos negros. A despeito das críticas (que foram menores do que o apoio nas redes sociais), a empresa repetiu e fez uma nova edição deste programa no ano passado.

A Bayer também seguiu o mesmo caminho e lançou um programa de mentoria e outro de trainee exclusivos para negros.

A partir destas primeira iniciativas, outras empresas foram aderindo à prática da seleção inclusiva, como a MRV&CO e o iFood. O movimento chegou também na área de tecnologia, mas com uma diferença: diante da falta de mão de obra, companhias como XP, Nubank e VTex criaram programas que, além de contratar, oferecem capacitação.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.