Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
iFood e Descomplica ajudam entregadores a concluírem o Ensino Médio
Parceria com o Descomplica oferece 700 bolsas de estudo para que entregadores do iFood se preparem para a prova do ENCCEJA
Tempo de leitura: < 1 min


(Divulgação/iFood)

O iFood, um dos maiores aplicativos de delivery do Brasil, em parceria com a edtech Descomplica, anuncia a nova rodada de inscrições para o programa “Meu Diploma do Ensino Médio”, que visa ajudar entregadores parceiros da plataforma que não concluíram o ensino médio ou fundamental a conseguirem o tão sonhado diploma.

Nessa nova fase do programa vai oferecer 700 bolsas de estudo para preparar esse entregadores para a prova do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA) de 2022.

As vagas do programa são voltadas para pessoas com mais de 18 anos que não concluíram o Ensino Fundamental e/ou Ensino Médio e destinadas, prioritariamente, a perfis autodeclarados pretos ou pardos, mulheres e também a pessoas que utilizam bicicleta como modal de transporte no aplicativo.

Segundo o iFood, a maioria dos entregadores inscritos no programa até o momento tem entre 21 e 29 anos (44%) e, entre as motivações para a bolsa, destaca-se a vontade de ingressar na faculdade e ter novas possibilidades de atuação profissional.

“Queremos ampliar o acesso dos brasileiros à educação por meio do que chamamos de educação sem distância. A parceria com empresas como o iFood, que impacta diretamente um grande número de pessoas das mais diversas classes sociais, é fundamental para alcançarmos esse objetivo”, conta Roberto Grosmam, COO da Descomplica.

A evasão escolar no período da adolescência é um sério problema educacional no Brasil e, a longo prazo, torna-se uma problemática ainda mais preocupante.

Segundo dados do IBGE, a proporção de pessoas de 25 anos ou mais que finalizaram a educação básica obrigatória, ou seja, concluíram, no mínimo, o ensino médio, foi de 48,8%, em 2019.

Em outras palavras, metade da população adulta do país ainda não concluiu o ensino médio. E dessa parcela, 33,1% não terminou nem o ensino fundamental.

“Concluir o Ensino Médio traz mais oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional, além de despertar sonhos e recomeços, em especial para pessoas em situação de maior vulnerabilidade e que deixaram a escola”, analisa Sylmara Ramon, gerente de inovação educacional no iFood.

Como se inscrever no programa

Os entregadores parceiros do iFood que gostaram da proposta, podem realizar a inscrição na página oficial do programa na plataforma da Descomplica. As inscrições encerram-se no dia 6 de maio e a aula inaugural ocorre no dia 9 de maio.

Para se inscrever, o candidato deve ter 18 anos ou mais, ser um entregador cadastrado na plataforma do iFood e não possuir o Ensino Fundamental ou Médio completos.

O que é o ENCCEJA?

O ENCCEJA é o exame nacional que permite a obtenção do diploma escolar para a jovens e adultos que não concluíram o Ensino Fundamental ou Ensino Médio na idade adequada.

Realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em colaboração com as secretarias estaduais e municipais de educação, o ENCCEJA é uma segunda oportunidade para que os jovens que abandonaram a escola na adolescência consigam se formar.

Quanto ganha um entregador do iFood em 2022?

Até antes do reajuste de salários, e considerando os descontos e gastos para rodar com a moto, cerca de 80% dos entregadores recebiam mais de R$ 1.300 no mês. Para atingir esse valor é necessário marcar cerca de quatro horas de expediente.

Nessa média, entram também as gorjetas, que são livres de fracionamento com o iFood. O pagamento é feito na conta informada durante o envio de documentos.

Em março deste ano, porém, a plataforma aumentou o valor mínimo da rota dos entregadores junto do ganho sobre quilometragem rodada em entregas. A partir de 2 de abril, os valores mínimos de rota de entrega subiram de R$ 5,31 para R$ 6.

Já a taxa sobre quilômetro rodado aumentou em 50%, subindo de R$ 1 para R$ 1,50. Assim, o entregador que percorrer em serviço 10km, por exemplo, ganha pelo menos R$ 15 — antes, faturava R$ 10.

Segundo a empresa, um entregador que cumprir uma carga horária de trabalho de 169 horas por mês — uma média de aproximadamente oito horas por dia considerando cinco dias úteis — passa a faturar R$ 3.020 brutos mensais.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.