Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Etarismo: 57% dos profissionais já sofreram preconceito por causa da idade
Segundo pesquisa do Infojobs, equanto profissionais das Gerações Y e Z sentem que são subestimados por serem mais novos, pessoas da Geração X dizem que os colegas jovens duvidam de seu profissionalismo
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Denis Novikov/Getty Images)

Os jovens são preguiçosos e não respeitam autoridades, os mais velhos não são inovadores e não sabem lidar com tecnologia… são inúmeros os estereótipos ligados à idade.

O preconceito relacionado à faixa etária é algo tão comum que ganhou até nome: etarismo. E, segundo uma pesquisa da plataforma de vagas Infojobs, ainda é comum enfrentar situações em que os estereótipos falam mais alto.

De acordo com o levantamento, que ouviu de 1222 profissionais, cerca de 57% dos entrevistados passaram por algum episódio de preconceito devido à sua idade. Ao todo, 55% dos participantes do estudo fazem parte da geração X, 36% da geração Y e 9% da geração Z.

E não importa se é jovem ou mais velho para sofrer com o peso dos preconceitos. Segundo a pesquisa, 73% dos profissionais da geração Y (nascidos entre 1980 e 1989) e Z (nascidos entre 1990 e 2010) sentem que são subestimados por serem mais novos.

Por outro lado, 66% dos profissionais da geração X (nascidos entre meados da década de 1960 até 1979) sentem que os mais novos duvidam de seu profissionalismo.

Com várias gerações convivendo dentro das organizações é normal que o conflito entre visão de mundo apareça e, de acordo com o estudo, 76% dos profissionais da geração Y ou Z acreditam que seus colegas da geração X são resistentes a posicionamentos dos mais jovens.

Conflitos de geração são comuns

Para 80% dos entrevistados, os conflitos de gerações são normais no mercado de trabalho e 62% já precisaram lidar com situações do gênero.

Entre as causas para os conflitos acontecerem estão os diferentes posicionamentos e posturas no ambiente de trabalho, com 37% das respostas cada, seguido por formas de falar, com 17%.

Mesmo assim, apesar das desavenças, 82% acreditam que conviver com pessoas de diferentes idades permite que os profissionais se desenvolvam, tendo contato com outras visões de mundo.

Grande parte (52%) também não acredita que lidar com o conflito de gerações seja responsabilidade do RH da empresa. Mesmo assim, é papel da área de gestão de pessoas a manutenção do clima organizacional em que todos se sintam ouvidos e valorizados.

“É fundamental combinar as diferenças de forma estratégica para realizar a melhor distribuição de tarefas, pensando inclusive em práticas de mentoria reversa. Isso vai manter os funcionários engajados e a produtividade em dia”, afirma Ana Paula Prado, CEO da Infojobs.

Prado ainda reforça a necessidade de estimular a convivência através de treinamentos coletivos, eventos de capacitação e até momentos de descontração. “Isso promoverá uma troca de conhecimentos, super importante para pessoas de todas as idades”, diz a executiva.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.