Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Está devendo horas no seu banco? Seu salário pode ser descontado
Tribunal Superior do Trabalho autorizou o desconto de salário em caso de banco de horas negativo; entenda o caso
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Imagem criada por inteligência artificial)

Foi a reforma trabalhista, lá em 2017, que tornou possível que um funcionário possa ter seu salário descontado caso esteja devendo ao banco de horas da empresa. Recentemente, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) reconheceu a validade de uma convenção coletiva autorizando um desconto do tipo. A decisão, publicada em 1º de março deste ano, foi tomada de forma unânime pelos três membros da Segunda Turma do TST e é de relatoria da ministra Maria Helena Mallmann.

O processo é referente a uma convenção coletiva de Londrina, no Paraná, entre a PZL Indústria Eletrônica Ltda. e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Londrina e Região. Segundo o acordado por lá, o empregado deve ter jornada de oito horas de trabalho diárias e 44 horas semanais. Caso não cumpra a carga e fique com banco de horas negativo, poderá haver desconto de salário correspondente às horas devidas ao final de 12 meses ou em caso de pedido de demissão ou dispensa motivada.

A dúvida de muitos, no entanto, é se essa é uma manobra permitida dentro da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que criou o banco de horas em 1998. Segundo Carlos Weiss, advogado trabalhista e sócio da Weiss Advocacia, a CLT estabelece normas de caráter geral e abstrato que, após a reforma trabalhista, abrem margem à tal convenção coletiva.

“O artigo 611-A da CLT aponta de forma expressa a possibilidade de empregados e empregadores pactuarem regras específicas e mais adequadas à sua realidade, as quais teriam prevalência inclusive sobre a lei, trazendo um rol exemplificativo sobre os direitos que poderiam ser alvo desta negociação”, explica Carlos. Sendo a manobra feita em Londrina legal, dificilmente um funcionário conseguiria que a decisão fosse revisada. “Ela apenas valida a negociação que existia entre empregador e empregado”, diz o advogado.

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.