Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Entenda em qual caso a mulher que sofre violência doméstica pode ser afastada do trabalho
Advogado explica os direitos trabalhistas das mulheres vítima de violência doméstica e familiar
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Imagem criada por inteligência artificial)

A mulher vítima de violência doméstica e familiar tem uma série de medidas protetivas asseguradas pela Lei Maria da Penha, cuja finalidade é preservar sua integridade física, psicológica e patrimonial.

São bastante conhecidas medidas como o afastamento compulsório do agressor do lar ou a determinação para que ele mantenha certo distanciamento da ofendida. Outras medidas, ainda, podem ser tomadas em assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar. É o caso, por exemplo, do afastamento do local de trabalho.

Se o juiz considerar que a permanência da mulher em seu local de trabalho acarreta risco de ela sofrer violência doméstica e familiar, poderá ser determinado seu afastamento desse local por até seis meses e sem a perda do vínculo de emprego.

Nesse período, o contrato de trabalho permanece vigente, porém, a empregada não comparecerá no estabelecimento da empresa. Ela tampouco pode ser dispensada sem justa causa e, também, sua ausência não resulta em abandono de emprego.

Quem paga o salário da funcionária afastada?

Existe certa discussão, contudo, sobre quem deve arcar com a remuneração da trabalhadora durante esse período de afastamento, uma vez que a lei não diz nada a respeito. Tem-se entendido que não caberia a empresa arcar totalmente com esse ônus, já que o motivo do afastamento não possui relação com o trabalho.

Ao mesmo tempo, deixar a mulher ofendida sem qualquer renda seria permitir a ela uma dupla violência: a primeira em decorrência da ameaça à sua integridade e a segunda ao eliminar seu meio de subsistência. Por tais razões, existem decisões que entendem que devem ser dado à situação o mesmo tratamento oferecido ao trabalhador acometido de doença.

Assim, durante os primeiros quinze dias de afastamento o empregador seria responsável por pagar normalmente o salário da trabalhadora. Já o pagamento do período subsequente ficaria a cargo do INSS.

Por Por Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.