Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Empregados preferem home office ou trabalho híbrido; empresas, o presencial. Como ter um consenso?
Pesquisa mostra que 76% dos profissionais preferem mesclar o regime de trabalho entre o remoto e o presencial. Maior parte das empresas (59%) também apostam no trabalho híbrido
Por Exame | Tempo de leitura: 3 min
(iStock/iStockphoto)

A pandemia, com o apoio da tecnologia, provocou transformações nas relações corporativas e hoje um dos principais desafios é definir o modelo ideal de trabalho: presencial, híbrido ou home office?

De um lado, estão as empresas que determinam o retorno 100% presencial, do outro os funcionários que desejam o trabalho remoto ou híbrido e que estão mais dispostos a trocar de emprego para ter ao menos um trabalho parcialmente remoto. É o que mostra a 24ª edição do “Índice de Confiança Robert Half” (ICRH) divulgada em junho deste ano.

A pesquisa ouviu 1.161 profissionais em maio deste ano. Os entrevistados foram divididos em três categorias: recrutadores, profissionais empregados e profissionais desempregados (todos acima de 25 anos com formação superior).

O regime de trabalho preferido: o híbrido

Um dos resultados da pesquisa mostra que o esquema híbrido ainda é o preferido da maior parte dos entrevistados, tanto na visão das empresas quanto na opinião dos profissionais.

Entre as companhias:

  • 59% estão funcionando em modelo híbrido;
  • 33% exigem a presença diária no escritório;
  • Apenas 8% seguem totalmente em home office.

Do lado dos profissionais, a preferência pela modalidade híbrida é ainda maior:

  • 76% a consideram como o modelo ideal de trabalho;
  • 18% indicam o home office integral;
  • Somente 6% preferem o modelo presencial full time.

“Com exceção daqueles setores que só podem atuar de modo presencial, como parte da área da saúde ou do varejo, por exemplo, nos demais, os trabalhadores anseiam por formatos flexíveis. Assim como o mundo, as pessoas mudam e o trabalho também”, diz Lucas Nogueira, diretor regional da Robert Half.

O diretor afirma que a falta de flexibilidade das empresas pode ocasionar até em demissão — esta, como uma decisão do funcionário: “A modalidade de trabalho tornou-se um fator decisivo, capaz de impulsionar pedidos de demissão e mudanças de emprego em prol de mais bem-estar, qualidade de vida e saúde mental. Nota-se que os profissionais também valorizam o contato e a interação, pois preferem o modelo híbrido, não o 100% remoto.”

Quais são os impactos do retorno presencial?

De acordo com a pesquisa, o retorno 100% presencial levaria 38% dos profissionais empregados no Brasil a buscar um novo emprego.

“Fica cada vez mais evidente que a dificuldade de adaptação às transformações do mercado proporcionará barreiras no recrutamento de profissionais qualificados, além de obstáculos na retenção de talentos. O anseio por flexibilidade definitivamente veio para ficar e as empresas que contam com esse diferencial serão as mais desejadas, admiradas e reconhecidas pelos profissionais. Portanto, para contar com os melhores talentos do mercado, capacitar e adequar a gestão a essa nova realidade deve estar no topo das prioridades”, afirma Nogueira.

Segundo o ICRH, 39% dos recrutadores entrevistados já estão vendo colaboradores buscarem um novo trabalho depois que a empresa decidiu pelo retorno presencial e 23% têm o receio de que isso possa acontecer no futuro.

Por que as empresas preferem o trabalho presencial?

Os principais motivos que estão levando muitas empresas a pedirem as atividades inteiramente presenciais são:

  • Enfraquecimento da cultura organizacional;
  • Percepção de queda na produtividade dos profissionais;
  • Dificuldades com a gestão remota.

“Tanto as empresas quanto os funcionários precisam trabalhar em um consenso. Do lado das empresas, as empresas estão readequando o espaço de seus escritórios. Os gestores também têm o desafio da mudança. Podem criar atividades para o pessoal estar no escritório, como ação de RH e treinamentos coletivos. Do lado do funcionário, se você quiser mudar de emprego, um novo desafio, a sua cabeça tem que abrir para a política da nova empresa, seja ela híbrido, seja presencial.”

O diretor reforça que a forma de trabalhar tem sido diferente de antigamente e que para manter os seus profissionais qualificados, as empresas precisam flexibilizar: “Hoje ir ao escritório não precisa ser para ficar o dia inteiro. É possível entrar mais tarde ou ir ao cliente, por exemplo. Fato é que as empresas de serviços que não se adaptarem ao modelo híbrido, elas perderão mão de obra qualificada. A briga por talentos ela continua e o sistema de trabalho mudou”, diz Nogueira.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.