Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Em qual horário a empresa é obrigada a pagar transporte como uber ou táxi para o funcionário?
Em artigo, advogado explica o direito de ir e vir do trabalho
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Getty Images/Divulgação)

Toda empresa é obrigada a fornecer vale-transporte para seus empregados que permita o deslocamento da casa do trabalhador para o local de trabalho e vice-versa mediante transporte público coletivo. Esse benefício é custeado em parte pelo empregador e em parte pelo empregado. Nesse sentido, o trabalhador pode ter descontado até 6% de seu salário fixo para contribuir no custeio do vale-transporte e o valor restante deve ser arcado pelo empregador.

Apesar de o oferecimento do vale-transporte ser um dever da empresa, o empregado não é obrigado a aceitá-lo. Todo empregado ao ser contratado deve fazer declaração escrita informando ou não a necessidade de utilização do vale-transporte. Caso declare que não necessita do benefício, por exemplo, em razão de se deslocar por transporte próprio, a empresa fica isenta de fornecê-lo e, também, o trabalhador não terá nenhum valor descontado de seu salário.

Já transportes como uber ou táxi não possuem natureza coletiva e a empresa não é obrigada a arcar com esse tipo de transporte, a menos que isso esteja previsto no contrato de trabalho ou em convenção ou acordo coletivo.

Em quais situações a empresa é obrigada a pagar uber ou táxi?

Conforme mencionado anteriormente, a obrigação da empresa é unicamente fornecer vale-transporte. Contudo, em situações em que o trabalho é realizado em local sem acesso a transporte público coletivo a empresa deverá viabilizar transporte alternativo. Geralmente isso é feito mediante a contratação de ônibus fretado, mas também poderia se dar utilizando-se de transportes como uber e táxi, a critério do empregador.

Em outra hipótese, ainda, embora exista transporte público coletivo no trajeto entre a empresa e a residência do trabalhador, pode ocorrer que no horário que ele sai ou entra no trabalho não há transporte disponível. Nesse caso, o empregador deverá fornecer algum tipo de transporte alternativo.

De forma semelhante, se o empregado por necessidade do serviço permanece no local de trabalho além de sua jornada normal e nesse período extraordinário não há transporte público disponível, a empresa deverá arcar com algum meio alternativo de transporte. Porém, havendo transporte público coletivo, não há a obrigação.

Por Marcelo Mascaro Nascimento, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.