Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Em 2009, Facebook negou emprego para criador do WhatsApp
Page/Post Excerpt

Exame

Há cinco anos, o currículo de Brian Acton, co-criador do aplicativo de mensagens WhatsApp vendido por US$ 19 bilhões para o Facebook, tinha todas as características para deixar qualquer recrutador de tecnologia com o queixo caído.

Além da formação em Stanford, ele ostentava a experiência de quem trabalhou em empresas como Apple e Yahoo! – onde chegou ao posto de vice-presidente de engenharia.

Mesmo assim, as empresas mais descoladas do Vale do Silício na época não o quiseram em seus times.

Primeiro, o Twitter não o aprovou no processo de seleção em maio de 2009. Três meses depois, foi a vez do Facebook rejeitar uma oportunidade profissional para ele.

Na rede de microblogs, Acton anunciou o fato com otimismo: “Foi uma ótima oportunidade para me conectar com pessoas fantásticas. Estou ansioso pela próxima aventura da vida”.

A próxima aventura foi nada mais, nada menos do que uma oportunidade de negócio bilionária.

Após a dupla rejeição, Acton se uniu a Jan Koum, com quem trabalhou no Yahoo!, para criar o WhatsApp, que foi lançado no mesmo mês em que o Facebook recusou o emprego para ele. De acordo com a Forbes, Koum também teria sido rejeitado pela companhia de Mark Zuckerberg.

Hoje, o serviço abriga 430 milhões de usuários que enviam e recebem 50 milhões de mensagens por dia.

Quando a transação com o Facebook for concluída, Acton pode acumular uma fortuna de 3 bilhões de dólares, segundo estimativa da Forbes.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.