Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Desemprego é maior entre mulheres negras e LGBTQIAP+
Pesquisa da startup 'Se Candidate, Mulher' também apontou que maioria das mulheres não se candidatam a vagas se não tiverem 100% dos requisitos
Por Exame | Tempo de leitura: 3 min
(Klaus Vedfelt/Getty Images)

Apesar dos avanços, as mulheres ainda enfrentam dezenas de desafios no mercado de trabalho. E esses desafios são ainda maiores no caso de profissionais que fazem parte de outra minoria, como mulheres negras e LGBTQIAP+.

Segundo uma pesquisa da startup Se Candidate, Mulher, 43,79% das mulheres LGBTQIAP+ e 41,95% das mulheres pretas estão desempregadas. O número é maior do que a média geral de profissionais mulheres que estão fora do mercado de trabalho, que é de 39,35%.

Os resultados fazem parte da pesquisa “Panorama das Mulheres no Mercado de Trabalho 2023”, que ouviu mais mil profissionais do gênero feminino em todo o Brasil. A pesquisa ainda apontou que o preconceito é um dos motivos mais citados pelas mulheres LGBTQIAP+ para estarem fora do mercado de trabalho.

No geral, o perfil de mulher que está na fila do desemprego são profissionais do nível pleno, com idades entre 25 a 35 anos. Das respondentes, 39,44% estão desempregadas e 34,98% também são mães.

“Seja nas empresas, seja em outras esferas sociais, a vivência das mulheres é atravessada por questões como a múltipla jornada de trabalho, maternidade, desigualdade salarial e os vieses inconscientes, que podem impactar desde a atração no processo seletivo até a retenção e a satisfação dessa profissional em uma companhia”, afirma Jhenyffer Coutinho, CEO da Se Candidate Mulher.

A pesquisa também apontou que apenas uma parcela pequena de mulheres está empregada e plenamente satisfeita com o seu trabalho: 10,6%. Cerca de 23% estão empregadas, mas buscando mudar de emprego, 16,5% estão trabalhando mas querem uma promoção e 10,5% estão em transição de carreira.

Em tempos que se discute a possibilidade de uma lei garantir a equidade salarial entre homens e mulheres, a baixa remuneração é o segundo motivo pelo qual as mulheres afirmam querer mudar de emprego (73,1%).

Entre os outros fatores que levam as profissionais também está a falta de perspectiva de crescimento na empresa em primeiro lugar, com 86,96%, e a falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional apontada por 64,29% das profissionais.

Síndrome da impostora: mulheres não se candidatam a vagas se não preencherem 100% dos requisitos

Não é de hoje que as pesquisas mostram que as mulheres são as principais afetadas pela síndrome do impostor, característica que leva os profissionais duvidarem do próprio talento e acreditarem que, apesar das conquistas na carreira, são ‘fraudes’ prestes a serem descobertas.

A falta de confiança também faz com que as mulheres não se sintam preparadas para assumir desafios. Uma pesquisa da Harvard Business Review de 2014 mostrou que mulheres candidatam-se a uma vaga apenas quando cumprem 100% dos critérios pedidos. Entre os homens, o número que dizia fazer o mesmo era de 60%.

Essa dificuldade em acreditar na própria capacidade também foi apontada pela pesquisa da startup Se Candidate, Mulher que mostrou que não possuir 100% dos requisitos pedidos é o fator mais apontado pelas profissionais para que elas não se candidatem a uma vaga de emprego. Outras 42,01% dizem que, apesar de reconhecerem possuir a experiência necessária, elas não se sentem boas o suficiente para assumir o cargo.

“São diversos os estereótipos da nossa sociedade e que ditam padrões que inferiorizam as mulheres, fazendo com que sejam consideradas menores e menos capazes no contexto em que estão inseridas”, diz Coutinho.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.