Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
De vendedora de salgados aos Conselhos de Administração, empreendedora negra contrariou estatísticas
Se auto definindo como a “profissional do improvável”, Jandaraci Araujo criou o programa Conselheiras 101 para incentivar a presença de mulheres negras nos conselhos de empresas
Por Exame | Tempo de leitura: 4 min
(Fin4She/Divulgação)

“A profissional do improvável”. É assim que Jandaraci Araújo resume e define a trajetória da sua carreira. A fundadora do Conselheiras 101 (programa de incentivo à presença de mulheres negras em conselhos de administração) começou a trabalhar como vendedora de salgados nos trens do Rio de Janeiro para sustentar as duas filhas, até que, por um mix de acontecimentos inesperados, vontade e sabedoria para aproveitar as oportunidades, chegou aos conselhos de administração de grandes empresas.

Mulher, preta, nordestina, retirante ruralista e mãe solteira, Jandaraci contrariou todas as estatísticas e números desses grupos aos quais pertence e já fez carreira no mercado financeiro. “Eu sou uma pessoa totalmente outlier, construí uma trajetória fora do padrão. Com todas as estatísticas e números não contribuíram para que eu chegasse nem próximo de onde eu estou”, disse Jandaraci durante o Women In Finance, evento organizado e promovido pela Fin4She.

Mas, apesar de inspiradora, essa não é uma história feliz, porque ressalta a desigualdade entre homens e mulheres, entre pretos e brancos, além do preconceito contra nordestinos. Um levantamento feito pela consultoria Gestão Kairós mostrou que mulheres negras ocupam apenas 3% dos cargos de lideranças nas empresas. Enquanto isso, o Brasil é composto por 28% delas, segundo o IBGE.

Em entrevista à EXAME, Jandaraci explicou que a maior barreira que mulheres negras enfrentam no meio corporativo é o preconceito. “Mesmo que elas tenham a formação necessária para o cargo, sempre tem algo a mais. Acontece que ninguém nasce C-Level, precisa de oportunidade. E isso não é visto para mulheres negras. É muito comum criar barreiras e novos mecanismos sutis para impedir que essas profissionais estejam nessas posições”, afirma.

Durante o Women In Finance, a executiva contou sobre os preconceitos que já sofreu em sua trajetória profissional. “Durante muito tempo, disseram que meu cabelo não era legal, que usar o meu turbante ou ser quem eu era não era correto. Disseram que eu tinha que mudar a minha forma de falar, tirar o meu sotaque e me vestir de forma diferente para chegar em algum lugar. Mas eu nunca consegui tirar a minha cor, e isso é uma barreira real hoje”, compartilha.

Atualmente, Jandaraci Araújo é Conselheira Independente de Administração no Instituto Inhontim e Instituto Tomie Otahke, também faz parte do Conselho do Capitalismo Consciente Brasil. É co-fundadora do Conselheiras 101. Também é professora de Finanças Corporativas de pós-graduação e escritora. Em 2021, recebeu o Prêmio Líderes do Brasil, pelo Lide Global, e, recentemente, foi reconhecida como Top Voice Linkedin na pauta de Equidade de Gênero.

Mas a sua trajetória começou vendendo salgados nos trens do Rio de Janeiro para sustentar as filhas e pagar os estudos. “Me matriculei na faculdade em que eu vendia doces e salgados na frente e defini uma meta de vendas diária para pagar a mensalidade e as contas”, conta Jandaraci. E foi durante as vendas que surgiu a primeira oportunidade. “Um cliente que sempre comprava salgados, um dia me perguntou por que eu estava vendendo salgados e depois me ofereceu um emprego”.

Rede de apoio

Jandaraci reconhece que conseguiu mudar a sua realidade com base em três fatores principais: oportunidade, educação e rede de apoio. A executiva contou que ao mudar para o Rio de Janeiro, morou em um quintal com várias famílias, e que o apoio recebido dali foi definitivo em sua trajetória. “As mulheres de lá se ajudavam tanto, elas foram fundamentais para eu conseguir continuar estudando, me formar e trabalhar”, explica.

Hoje, ela reserva parte de seu tempo para ajudar outras mulheres que precisam. “Eu me dedico a ajudá-las porque um dia eu fui ajudada. Eu faço não é por dinheiro, nem por protagonismo, é por propósito”, afirma.

O Conselheiras 101 é um dos exemplos de iniciativas tocadas por Araujo. O programa foi criado no meio da pandemia com a perspectiva de abrir espaços para mulheres negras nos conselhos de administração de empresas.

No projeto, algumas executivas são selecionadas através de processo seletivo e análise de currículo para participar de uma mentoria de preparação para conselhos de administração. Depois disso, o Conselheiras 101 divulga essas profissionais para as empresas.

Para a conselheira, as empresas podem se unir a instituições que promovem a liderança feminina, com programas específicos para alavancagem de mulheres negras em lideranças. “Isso ajuda a criar um ecossistema de engajamento e empoderamento para dar visibilidade a essas mulheres e é uma forma de garantir uma maior equidade no mercado”, afirma.

Outra iniciativa de apoio às mulheres é a 4She, plataforma lançada pela Fin4She. No site, executivas, empreendedoras e profissionais de qualquer área podem se cadastrar em um banco de currículos acessado por grandes empresas; conferir vagas e oportunidade; acessar cursos e conteúdos que promovem o desenvolvimento pessoal e profissional das mulheres, além de participar da comunidade criada na plataforma.

A executiva também esclarece como cada pessoa pode contribuir para esse ecossistema. “Quando você insere mais uma mulher negra no mercado, você está dando a oportunidade para ela iniciar a sua carreira. A responsabilidade de todas as mulheres em posição de liderança é mapear o quanto a sua gestão é equitativa e o que você está fazendo para garantir a diversidade nesse time”, explica Jandaraci.

“Ser a profissional do improvável é para fazer com que o caminho de outras fique mais fácil. E o lugar em que queremos estar somos nós que definimos, ninguém deve dizer onde temos que parar”, afirma.

A líder executiva finaliza questionando: “Eu sempre pergunto para as pessoas ‘tirando o CNPJ, qual é o legado que o seu CPF vai deixar no mundo?’”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.