Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Confira o tempo de deslocamento até o trabalho nas capitais brasileiras
Page/Post Excerpt

uol

Moradores de oito capitais gastam pelo menos duas horas para ir e voltar do trabalho, de acordo com estudo da Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), apresentado nesta sexta-feira (11) durante o Congresso Internacional Cidades e Transportes, no Rio de Janeiro. O dado representa a rotina de mais de 12,2 milhões de trabalhadores que levam mais de 30 minutos para chegar ao trabalho.

Dos 601 municípios analisados, o que apresentou situação mais crítica foi o Rio, onde 2,8 milhões de pessoas perdem, em média, duas horas e 21 minutos po dia. São Paulo é o segundo do ranking, com duas horas e 12 minutos para mais de 5,5 milhões de profissionais.

O estudo foi elaborado com dados de 2012, quando mais de 17 milhões de trabalhadores das 37 regiões metropolitanas analisadas demoravam, em média, 114 minutos nas viagens de ida e volta do trabalho –em 2011, esse indicador foi de 112 minutos.

Ainda segundo a Firjan, o tempo desperdiçado gera prejuízo de mais de R$ 111 bilhões, na avaliação dos pesquisadores. Só no Rio, o dano à economia é estimado em R$ 19 bilhões (5,9% do PIB metropolitano). São Paulo, por sua vez, deixa de produzir R$ 45 bilhões (5,7% do PIB metropolitano).

Ranking

Rio de Janeiro e São Paulo são seguidos por Salvador (duas horas e oito minutos), Belo Horizonte (duas horas e cinco minutos), Recife (duas horas e dois minutos), Curitiba (duas horas e dois minutos), Goiânia (duas horas) e Manaus (duas horas).

Rio e Recife apresentaram os maiores percentuais de crescimento em relação ao tempo gasto para ir e voltar do trabalho. As capitais fluminense e pernambucana tiveram elevação de 8,4% e 6%, respectivamente, entre 2011 e 2012.

Veja o ranking das capitais:

Desigualdade

A pesquisa observa que o prejuízo é maior nas áreas situadas em periferias metropolitanas, onde a desigualdade em relação à geração de empregos é mais acentuada. Ou seja, a oferta de trabalho se concentra majoritariamente nas cidades-polo, e faz com que os trabalhadores tenham que percorrer grandes distâncias.

“Portanto, a solução para reduzir o tempo de deslocamento e os custos relacionados não está apenas na ampliação das infraestruturas de mobilidade (que precisa ser realizada, em especial no transporte de grande e média capacidade), mas também no reequilíbrio da oferta de empregos e de funções urbanas nos municípios periféricos”, conclui o estudo.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.