Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Citi se prepara para demitir funcionários não vacinados nos EUA
Funcionários que atuam nos escritórios e não cumprirem a determinação até 14 de janeiro serão colocados em licença não remunerada e desligados até o fim do mês
Tempo de leitura: 2 min


(Emmanuel Dunand/AFP)

O Citigroup foi o primeiro grande banco de Wall Street a impor uma ordem rigorosa de vacinação contra a Covid-19: quem não se vacinar corre risco de demissão. O prazo para os funcionários tomarem a decisão está perto do fim e a instituição se prepara para tomar providências.

Funcionários que atuam nos escritórios e não cumprirem a determinação até 14 de janeiro serão colocados em licença não remunerada e desligados até o fim do mês, de acordo com um comunicado enviado a colaboradores e visto pela Bloomberg.

Alguns serão elegíveis a bônus de fim de ano, mas para receber o dinheiro precisarão assinar um termo se comprometendo a não processar judicialmente a instituição, segundo o comunicado.

Mais de 90% dos funcionários do Citigroup nos EUA cumpriram a regra, que também permite isenção por motivos religiosos ou médicos, de acordo com pessoas a par do assunto que solicitaram anonimato para discutir informações privadas.

O banco sediado em Nova York vem enfrentando mudanças nas leis em diferentes regiões dos EUA e críticas por alguns funcionários que ganharam a atenção do público, refletindo a polarização em torno da vacina em todo o país.

Uma porta-voz do Citigroup confirmou que mais de 90% dos funcionários cumpriram a regra e que esse percentual está subindo rapidamente, mas se recusou a fazer comentários adicionais.

A chegada da variante ômicron atrapalhou os planos das empresas americanas de trazer pessoal de volta ao escritório. Paralelamente, as exigências de vacinação impostas por empregadores foram parar nos tribunais. O Citigroup determinou que aproximadamente 70.000 colaboradores se vacinem e esta exigência é das mais rigorosas no setor financeiro dos EUA, que vem tentando tirar os funcionários do home office.

Rivais como Goldman Sachs Group e JPMorgan Chase também fizeram exigências de imunização, mas permitem que os funcionários não tomem a vacina se não entrarem nos escritórios.

Os mandatos de vacinação se tornaram um problema para empregadores em diversos setores — de hospitais a forças policiais e corporações — e já resultam em litígios e resistência por parte de alguns trabalhadores, apesar de haver amplo enquadramento de maneira geral. Nesta sexta-feira, a Suprema Corte dos EUA ouve argumentos sobre uma ordem da Casa Branca para que grandes empregadores exijam vacinas ou testes semanais de Covid, sinalizando mais mandatos adiante se a regra avançar.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.