Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Brasileiros estão insatisfeitos com salário e jornada profissional
Segundo pesquisa, 42,1% dos trabalhadores discordam que o salário atende às necessidades alimentares básicas. Outros 43% afirmam trabalhar mais horas do que o combinado
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(We Are/Getty Images)

No mês que se comemora o dia do trabalho, os trabalhadores têm pouco a comemorar e estão bastante insatisfeitos com sua vida profissional. Pelo menos é isso que mostra um estudo realizado pelo portal Empregos.com.br em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), que ouviu 257 profissionais de todo o país, e investigou três frentes: salário, horas de trabalho e trabalho remoto.

Na primeira etapa, os entrevistados foram perguntados se recebem valor igual ou maior ao piso salarial do cargo. 51,8% responderam que discordam, ou seja, mais da metade considera que tem remuneração abaixo do piso, e 33,1% concordam.

Além disso, 44,7% discordam que o salário é igual aos demais funcionários que desempenham a mesma função, independente do gênero.

Em relação ao rendimento do salário, 42,1% discordam que o salário atende às necessidades alimentares básicas da família; 60,7% discordam que consegue pagar por atividades culturais; e 70,4% discordam que consegue pagar as despesas para manter uma boa saúde física e mental. Entre os entrevistados, apenas 29% são contemplados com plano de saúde, enquanto 57% não recebem o benefício.

“Para evitar esses ruídos, é importante que as empresas trabalhem com transparência na comunicação com os funcionários. Um assunto que tem ganhado espaço na mídia, devido a tramitação de um projeto de lei é justamente a transparência salarial”, diz Tábata Silva, gerente do Empregos.com.br.

“Nesse caso é importante lembrar que ela não está atrelada apenas ao valor do salário, mas sim na forma como são calculados as faixas salariais e o motivo por trás delas”, afirma.

Brasileiros discordam da carga de trabalho

Quando o assunto é jornada de trabalho, 38,6% discordam que a carga de trabalho é adequada à jornada de trabalho – ou seja, o volume de atividades extrapola às 44 horas semanais.

Não à toa, 43% afirmam trabalhar mais horas do que o definido no contrato. 42,6% afirmam que a jornada está dentro do combinado. E o trabalho “extra” também é realidade daqueles que atuam em regime home office.

Segundo o levantamento, 49,4% afirmam que trabalham fora do horário comercial para concluir tarefas; 47,5% afirmam que chefes ou colegas entram em contato fora do expediente; e 45,1% afirmam trabalhar mais em casa em comparação ao trabalho presencial. Sobre flexibilidade, apenas 36,7% dizem que têm autonomia sobre suas horas de trabalho.

“Em determinadas épocas do ano pode ser que a empresa precise de uma dedicação maior, então algumas horas extras se fazem necessárias para dar conta da demanda. No entanto, isso não pode ser uma rotina diária, ficando horas a mais, todos os dias, para concluir o trabalho. A falta de equilíbrio entre vida profissional e pessoal pode prejudicar a performance e satisfação do funcionário”, diz a especialista.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.