Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
As 14 vantagens e desvantagens do home office, segundo gestores
O remoto é bom ou ruim para a carreira? Confira a pesquisa da Nespresso que mostra as impressões que o home office deixou
Tempo de leitura: 4 min


(wenjin chen/Getty Images)

Por um lado, o home office foi aprovado: 96% das empresas devem manter alguma forma de modelo híbrido no futuro. E por outro lado, a maioria das pessoas acredita que os relacionamentos foram impactados negativamente pelo trabalho remoto.

Os dados, da “Pesquisa Nespresso Professional: O Futuro do Ambiente de Trabalho no Cenário Pós Pandemia”, mostra a complexidade do cenário que aguarda as empresas a partir de agora.

Para realizar o relatório, a Nespresso Profissional fez quatro pesquisas com mais de 600 pessoas, entre elas funcionários, líderes e gestores de Recursos Humanos. E ainda foram reunidos estudos de outras instituições, como ManPower Group, PWC, Accenture, Cisco e Microsoft.

Segundo Bianca Carmignani, Head de RH da Nespresso no Brasi, o objetivo da pesquisa era organizar a diversas informações divergentes sobre o remoto para ajudar as empresas na hora de dialogar sobre as novas práticas de trabalho.

“Acho que uma das conclusões mais importantes é que, independentemente do modelo, diversos assuntos vieram à superfície que não estavam necessariamente sendo tratados pelas organizações. Para o futuro, temos que entender o protagonismo do colaborador e também a fragilidade do líder”, diz.

Um ponto importante que mostra isso e deve ser observado no futuro é a atenção para o bem-estar. O modelo híbrido foi avaliado por 83% dos funcionários como o ideal para promover a saúde mental e bem-estar. No entanto, 41% dizem que sentiram que a saúde mental foi prejudicada.

Para 49% dos entrevistados, o tema precisa continuar em destaque no mundo do trabalho pós-pandemia.

Como será o retorno

De acordo com a pesquisa, 44% das empresas marcaram o retorno ao trabalho presencial ou híbrido para o primeiro semestre de 2022.

Embraer e Google fazem parte das empresas que resolveram não adiantar o retorno ao escritório ainda em 2021. No próximo ano, as empresas já têm planos sobre como será o seu trabalho híbrido, mas sempre contando com a flexibilidade para aprender com o modelo e se adaptar.

No Google, os funcionários terão a opção de ir ao escritório cerca de três dias na semana. A empresa também dará a possibilidade de trabalhar de qualquer lugar por quatro semanas no ano. Já a Embraer estima que 70% da sua equipe poderá trabalhar de forma híbrida ou totalmente remota.

O que todos conseguem concordar é que a forma de trabalhar remotamente a partir do próximo ano será bem diferente do que foi vivido nos tempos de pandemia.

O relatório da Nespresso aponta quatro pontos para considerar nessa nova etapa para o home office:

  • Interação com a equipe esporadicamente;
  • Vida social ativa;
  • Escolas presenciais;
  • Atividades em grupo.

Essas mudanças tocam em pontos que foram considerados as maiores desvantagens do home office por gestores e funcionários, como a falta de interação com colegas e administrar a educação dos filhos em casa.

As sete vantagens do trabalho remoto para os gestores

Na comparação entre vantagens e desvantagens, os pontos positivos do home office ficam na dianteira.

Enquanto o ponto mais negativo (a falta de interação) foi destacado por 42% dos entrevistados, os pontos positivos superam essa perspectiva: 66% e 58%, respectivamente, viram os benefícios de ter menos horas sendo investidas no trânsito e mais tempo para ficar com a família.

“Discutimos muito sobre a mudança da rigidez para vivermos em uma realidade mais fluida. O ambiente mais flexível não é uma questão de localidade”, fala a executiva de RH.

As 7 desvantagens do trabalho remoto para os gestores

As desvantagens serão postas à prova no modelo híbrido. Muitos dos problemas que surgiram por causa de modelos mais inflexíveis do home office durante a pandemia, como a falta de interação ou a dificuldade de conciliar a agenda.

No entanto, a dificuldade de comunicação deve persistir no pós pandemia. O modelo híbrido trará novos desafios para a adaptação de equipe com horários e localidades diferentes.

“Temos que pensar agora que se um está remoto, todos estão remotos. Será um desafio para o líder e o RH assegurarem que, seja na empresa ou em casa, todas as boas práticas de comunicação, feedback e avaliação sejam garantidas e implementadas”, afirma Carmignani.

As três preocupações dos funcionários sobre o home office

Um dos destaques que devem chamar a atenção das empresas e do RH é o desencontro de algumas visões dos gestores e dos funcionários quanto ao home office. As três maiores preocupações das equipes não aparaceram no radar da liderança. Confira:

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.