Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Apenas 4 dos 500 CEOs das maiores empresas do mundo são negros
Levantamento mostra ainda que 60% dos CEOs negros precisaram trabalhar o dobro para chegar ao topo
Por g1 | Tempo de leitura: 2 min
(Unsplash)

Estudo global da empresa global de consultoria organizacional Korn Ferry mostra que apenas 4 dos 500 CEOs listados no ranking anual da revista “Fortune” das maiores empresas do mundo são negros, representando 0,8% do total.

Há 10 anos, eram 7 (1,4%). Ou seja, além de ser irrisório, o número de diretores executivos (C-Level) negros caiu 43% em uma década.

Com isso, a consultoria prevê que, nos próximos anos, pode haver ainda menos – ou nenhum líder negro na lista.

Os cargos de C-level, como CEOs (Chief Executive Officer), CFOs (Chief Financial Officer), COOs (Chief Operating Officer), CMOs (Chief Marketing Officer) e CTOs (Chief Technology Officer), são os mais altos na hierarquia das empresas.

Cenário no Brasil é similar

No Brasil, o cenário da falta de diversidade é similar. Em uma pesquisa realizada com 73 empresas listadas na B3 em agosto deste ano, 79% responderam ter até 11% de pessoas negras em cargos de diretoria e 78% informaram ter até 11% de pessoas negras em cargos de C-level.

Para a sênior principal e líder de projetos de diversidade, equidade e inclusão da Korn Ferry no Brasil, Milene Schiavo, promover a diversidade de raças e gêneros nas lideranças deve ser uma agenda intencional das organizações, apoiada e patrocinada pelo primeiro nível de liderança.

Para ela, é preciso criar ações estruturadas para que grupos minorizados possam, não apenas ingressar, mas progredir nas organizações e chegar às posições mais sêniores e de alta liderança.

“A pluralidade de líderes promove uma virada de chave na forma como as empresas são comandadas. Deveríamos estar muito mais à frente nesse assunto. E já entendemos e constatamos que empresas que veem a diversidade como algo natural já colhem frutos financeiros”, aponta.

O estudo da Korn Ferry mostrou também que as organizações com times mais inclusivos superam a concorrência. As que têm equipes executivas mais diversas são 70% mais propensas a conquistar novos mercados do que as menos diversificadas e são capazes de gerar receita 38% maior em produtos e serviços inovadores.

Trabalho duro para chegar no topo

O estudo da Korn Ferry entrevistou 28 CEOs negros da área de P&L (lucros e perdas) de empresas do ranking da Fortune 500, que contaram como chegaram até a liderança – menos de 10% dos líderes na área são negros – e 60% deles relataram ter que trabalhar duas vezes mais duro e realizar o dobro de resultado de seus pares para obter o mesmo nível de reconhecimento.

Os executivos também relataram que precisaram repetir feitos de sucesso e demonstrar suas capacidades e provar seu valor para escalar a hierarquia corporativa.

Milene comenta que os executivos ouvidos no estudo precisaram arriscar a carreira em tarefas que outros membros da empresa não queriam assumir justamente para provarem que eram capazes.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.