Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
8 características dos concurseiros de sucesso
Page/Post Excerpt

Exame

Deixar para trás milhares de concorrentes é a primeira vitória rumo à aprovação em um concurso público. Com tanta gente em busca dos bons salários e da estabilidade da carreira pública, a disputa é sempre acirrada.

Para se ter uma ideia, em carreiras jurídicas, por exemplo, o índice de acertos dos aprovados beira os 80%. “Na magistratura estadual é de 81% e no Ministério Público estadual é de 79%”, diz Francisco Fontenelle, diretor pedagógico do Grupo LFG.

Mas como chegar lá? Segundo especialistas, não é preciso ser um gênio para conseguir. No entanto, alguns aspectos são mais comuns ao perfil do concurseiro que é bem-sucedido.

Não se trata de regra máxima. Segundo Paulo Estrella, diretor pedagógico da Academia do Concurso, é possível fazer ajustes para suprir deficiências em um ou outro aspecto.

“A beleza do concurso público é essa de que uma coisa pode ser compensada pela outra”, diz. O tempo exíguo de estudo diário é compensado por um período maior de preparação, por exemplo.

E, mesmo que cada caso mereça ser avaliado separadamente, veja o que os aprovados, em geral, têm em comum durante o tempo de preparação:

1 Objetivos bem traçados

De acordo com Paulo Estrella, traçar um objetivo, escolhendo um concurso adequado ao seu perfil é o primeiro ponto.

E isso se faz pesquisando sobre a carreira e as disciplinas cobradas em edital. “O ideal é que a escolha seja feita de acordo com a aptidão do concurseiro”, diz Fontenele.

O foco nas disciplinas do concurso escolhido é fundamental nesse processo. Não dá para querer abraçar o mundo, como fazem os candidatos “paraquedistas”. “ Este tipo, que vai tentar a sorte e quer fazer todos os concursos tem chance mínima de sucesso”.

2 Perseverança

“A diferença entre o concurseiro que se dá bem e o que não consegue a aprovação é que o segundo desiste, perde o objetivo, o foco e a perseverança”, diz Estrella.

E a dose de perseverança deve ser alta. “As dificuldades são muitas, as matérias não favorecem”, diz o diretor da Academia do Concurso.

3 Estudo antes da publicação do edital

O tempo de preparação é longo. A média, diz Fontenelle, é de 2 a 3 anos, para concursos mais disputados. Por isso, perde quem espera o edital sair para começar a estudar e ganha que se adianta.

4 Apoio na preparação

Material de estudos, cursos, editais e provas anteriores. Esta é a rede de apoio que pode encurtar o caminho na aprovação.Isso não significa que apenas que. faz curso preparatório passa. Há, sim, casos de autodidatas, embora mais raros.

“Concurso público é uma competição pelo esforço individual. Se o candidato não tem como fazer um curso preparatório ele vai ter que compensar com mais esforço, correr por conta própria, o que é possível também. Por isso a perseverança é tão importante”, diz Estrella.

5 Percepção do perfil da banca examinadora

Fundação Carlos Chagas, Cesgranrio, Cespe, FGV, Vunesp e Esaf são algumas das principais bancas examinadoras de concursos públicos. Cada uma tem seu estilo de prova.

Enquanto uma banca prefere enunciados longos e questões multidisciplinares, como é o caso do Cespe, outra aposta em perguntas bem objetivas, estilo da Fundação Carlos Chagas, por exemplo.

“Entender o estilo não é fazer um estudo aprofundado, é resolver questões”, diz Estrella. Assim, o candidato verifica os temas mais frequentes e entende no que deve reforçar os estudos.

6 Resolução de simulados e exercícios

Praticar é a receita de sucesso, segundo Fontenele. Além de sedimentar os conhecimentos, ajuda na administração do tempo de resolução da prova.

“Quem se autoaplica testes, reforça os estudos e entra em contato com suas deficiências. Assim a probabilidade de retenção do conhecimento é maior”, diz Fontenele.

7 Organização

Traçar um plano que coloque os estudos na rotina do concurseiro é também muito importante. “Sem organização, a pessoa vai precisar de mais estudo e não vai obter os resultados esperados”, diz Estrella.

Manter o hábito diário, selecionar disciplinas que serão estudadas a cada dia e separar as horas de ler a teoria e de aplicar os conhecimentos nos exercícios são alguns dos aspectos que devem ser levados em conta.

8 Local de estudos

Um ambiente adequado para estudar poupa o concurseiro de distrações e ajuda aproveitar melhor o tempo de dedicação, segundo Fontenele.

No entanto, é preciso levar em conta o seu estilo. Há pessoas que se concentram ouvindo música, há aqueles que precisam de silêncio total.

“Conheço gente que passou em concurso, estudando no meio da bagunça. É claro que é melhor ter ambiente propício, mas depende da característica e da predisposição do candidato”, diz Estrella.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.