Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

7 filmes não-óbvios da Netflix para quem sonha em trabalhar fora


Em tempos de grave turbulência política e incerteza econômica, não é de espantar que um número cada vez maior de brasileiros esteja planejando sair do país e construir uma carreira internacional.

Trabalhar no exterior, contudo, pode ser mais desafiador do que parece. Além de vencer a burocracia da imigração, é preciso planejar cuidadosamente as suas finanças, transpor a barreira linguística, adaptar-se a uma nova cultura, lidar com preconceitos e trabalhar o seu autoconhecimento.

Uma expatriação de sucesso depende de planejamento — inclusive do ponto de vista psicológico. E há poucos recursos tão eficientes para mexer com as emoções humanas quanto o cinema.

Amantes da sétima arte, dois especialistas de consultorias de imigração fizeram uma lista de filmes disponíveis na plataforma de streaming Netflix que podem provocar reflexões importantes em quem pensa em trabalhar fora do Brasil.

A lista inclui obras de diretores como Walter Salles, Martin Scorsese e Woody Allen. Confira a seguir:

[v_media_boxes id=”” image_align=”left” image_style=”square” bw_filter=”false”]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/na-estrada.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”1. Na Estrada” link=”#” link_target=”_self”]

Baseado no romance homônimo de Jack Kerouac, o filme acompanha a viagem de três jovens pelo interior dos Estados Unidos nos anos 1940. Os libertários Sal, Dean e Marylou sonham com um outro mundo e, ao longo da jornada, conhecerão figuras únicas que mudarão seus destinos.

Por que interessa para (futuros) expatriados: Charmoso e poético, o filme mostra a beleza de se arriscar e sair da mesmice. “Os personagens transmitem aquela inquietação que deve mover quem procura novos desafios profissionais fora do seu país de origem”, comenta Bruno Drummond, sócio da consultoria internacional Drummond Advisors.

“On the road”
Ano de produção: 2012
Diretor: Walter Salles [/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/o-terminal.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”2. O terminal” link=”#” link_target=”_self”]

Viktor Navorski (Tom Hanks) é um cidadão de Krakozhia, um desconhecido país da Europa Oriental, que viaja para Nova York justamente quando seu país sofre um golpe de estado, o que invalida seu passaporte. Sem autorização para entrar nos Estados Unidos e sem poder regressar a Krakozhia, Viktor improvisa uma estadia por tempo indeterminado no aeroporto, à espera de uma solução.

Por que interessa para (futuros) expatriados: Apesar de ser tratado de forma ficcional, o drama de Viktor pode muito bem ocorrer de diversas maneiras na realidade, diz Leonardo Freitas, sócio-fundador da consultoria Hayman-Woodward, especialista em expatriação de pessoas físicas e jurídicas.

Recentemente muitos estrangeiros com green card e pessoas provenientes de alguns países de maioria muçulmana tiveram a sua entrada negada nos Estados Unidos. Tempos depois as medidas e procedimentos foram revistos. Mas, naquele momento, pessoas que fugiram da guerra civil da Síria passaram por momentos de tensão parecidos com os tratados no filme. Impedidos de entrar nos EUA, eles também não podiam retornar ao seu país de origem. O filme ajuda a se colocar no lugar de um expatriado que, por um motivo externo à sua vontade, encontra dificuldades para ser aceito (real ou simbolicamente) em um novo país.

“The Terminal”
Ano de produção: 2004
Diretor: Steven Spielberg[/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/na-natureza-selvagem.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”3. Na natureza selvagem” link=”#” link_target=”_self”]

Pouco tempo depois de se formar com louvor na tradicional Emory University, Christopher McCandless (Emile Hirsch) decide abandonar sua vida privilegiada, doar todas as suas economias para a caridade e ir sozinho até o Alasca para viver em contato com a natureza. O filme é baseado num caso real.

Por que interessa para (futuros) expatriados: De acordo com o sócio da Drummond Advisors, a história do jovem recém-formado que resolve largar tudo para fazer uma viagem sem rumo dá um “chacoalhão” nos profissionais que têm medo de sair do Brasil. Além disso, o drama também é uma jornada na busca pelo autoconhecimento, algo que a experiência internacional ajuda a construir. “Trabalhar no exterior permite que o indivíduo ganhe coragem para olhar para dentro de si e descubra suas reais motivações profissionais”, afirma o especialista.

“Into the wild”
Ano de produção: 2007
Diretor: Sean Penn[/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/meia-noite-em-paris.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”4. Meia-noite em Paris” link=”#” link_target=”_self”]

O norte-americano Gil Pender (Owen Wilson) é um roteirista frustrado que sonha em ser escritor. Numa viagem a Paris, cidade pela qual é apaixonado, ele percebe que nem tudo está perdido. Numa noite em que sai sozinho para explorar a capital francesa, ele conhece estranhos que mais tarde se revelam grandes gênios da literatura e o levam a uma viagem ao passado.

Por que interessa para (futuros) expatriados: “A história conta como uma viagem pode transformar a vida de alguém”, explica Drummond. “Ensina que a vivência em outro país é uma oportunidade de experimentar novos ares e mudar o rumos da sua carreira”, explica.

“Midnight in Paris”
Ano de produção: 2011
Diretor: Woody Allen[/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/o-lado-bom-da-vida.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”5. O lado bom da vida” link=”#” link_target=”_self”]

Depois de ficar 8 meses internado numa instituição psiquiátrica, Pat Solitano (Bradley Cooper) volta para a casa de seus pais para tentar refazer sua vida. Tudo muda quando ele conhece a misteriosa Tiffany (Jennifer Lawrence), que será a verdadeira chave para sua recuperação completa.

Por que interessa para (futuros) expatriados: Ao passar por uma fase de reconstrução, o protagonista decide abandonar velhos hábitos e se entregar ao desconhecido. “Essa mesma necessidade de mudança é um sentimento comum aos expatriados, que precisam de uma boa dose de desapego para investir em uma carreira internacional”, diz Drummond.

“Silver Linings Playbook”
Ano de produção: 2012
Diretor: David O. Russell[/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/gangues-de-nova-york.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”6. Gangues de Nova York” link=”#” link_target=”_self”]

Na Nova York de 1863, Amsterdam Vallon (Leonardo DiCaprio) busca se vingar do assassino de seu pai, Bill the Butcher (Daniel Day-Lewis), líder de uma poderosa gangue da cidade.

Por que interessa para (futuros) expatriados: O filme retrata um país em que os cidadãos que não são americanos, holandeses ou ingleses são considerados pessoas de segunda classe. “O preconceito contra imigrantes é algo que existe de longa data e, apesar da globalização, ainda existem problemas de aceitação em muitas comunidades”, comenta Freitas. “Conhecer a cultura local e buscar se inserir o mais rápido possível ajudam a diminuir essa resistência a quem está chegando”.

“Gangs of New York”
Ano de produção: 2002
Diretor: Martin Scorsese[/v_media_box]

[v_media_box image=”https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/05/jean-charles.jpg?quality=70&strip=info&w=920″ title=”7. Jean Charles” link=”#” link_target=”_self”]

O longa conta a história real de Jean Charles de Menezes, eletricista brasileiro que foi trabalhar em Londres para ajudar sua família em Minas Gerais. eletricista. Vivido por Selton Mello no filme, ele leva sua prima Vivian para morar com ele e consegue introduzi-la no mercado de trabalho ilegal. Em julho de 2005, Jean acaba sendo confundido com um terrorista no metrô londrino e é morto pela polícia.

Por que interessa para (futuros) expatriados: Para Freitas, a obra é recomendável porque retrata o preconceito que existe de forma escancarada ou sutil contra imigrantes em qualquer parte do mundo. “O filme também mostra de certa forma a importância de estar em situação legal e com o visto adequado para realizar atividades como trabalhar e estudar, seja qual for o destino escolhido”, afirma ele.

“Jean Charles”
Ano de produção: 2009
Diretor: Henrique Goldman[/v_media_box]
[/v_media_boxes]

Notícias relacionadas

Deixe um comentário