Scroll Top
Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
41% das empresas no Brasil não oferecem nenhum benefício de bem-estar mental
Pesquisa da Pipo, corretora de saúde, ouviu 432 empresas para mapear as práticas de benefícios corporativos no Brasil
Por Exame | Tempo de leitura: 3 min
(sorbetto/Getty Images)

Depois da pandemia de covid-19, com o aumento nos casos de doenças mentais como burnout e ansiedade, muitas empresas apostaram na oferta de benefícios para auxiliar os profissionais a manter qualidade de vida e bem-estar.

Segundo a Pesquisa de Benefícios de Saúde 2023, realizada pela Pipo, corretora de saúde, para 75% dos profissionais de Recursos Humanos, os benefícios de saúde mental, inclusive, se tornaram os subsídios mais importantes que as companhias podem oferecer neste momento.

O mesmo estudo, que ouviu 432 empresas, entretanto apontou uma contradição: apesar de reconhecerem a importância do tema, 41% das empresas ouvidas não oferecem nenhum benefício de bem estar para os funcionários — seja ele de saúde mental ou física.

Entre as pequenas e médias empresas, que empregam menos de 500 pessoas, o número é ainda maior, 45,2%.

A oferta de subsídios para questões emocionais, como auxílio para psicoterapias, é uma realidade de apenas 4 em cada 10 empresas (39,1%). O número é ainda mais baixo entre as empresas menores, com até 500 empregados, caindo para 36,2%.

Quanto o assunto são práticas de atividades físicas, o número de empresas que possuem algum tipo de suporte aumenta consideravelmente para 46,9%.

(Pipo Saúde/Divulgação)

Mesmo assim, são poucas as que oferecem os benefícios de saúde mental e física de forma combinada, apenas 26,1%. No geral, a maioria (56,5%) opta por oferecer apenas um tipo de subsídio relacionado ao bem-estar.

(Pipo Saúde/Divulgação)
Benefícios flexíveis ainda não são uma realidade

O estudo da Pipo, que busca mapear as tendências de benefícios corporativos, também mostrou que os benefícios flexíveis, em que os funcionários podem montar os seus pacotes de acordo com a sua necessidade, ainda não são uma realidade nas empresas brasileiras.

De acordo com a pesquisa, 61% dos pacotes não são flexíveis e as empresas oferecem opções pré-determinada para os funcionários. Somente 8,6% das empresas oferecem pacotes muito flexíveis, quando há a oferta de um valor específico e o empregado escolhe em quais categorias pretende gastar.

Ainda segundo os dados, a maioria das empresas pesquisadas (86%) oferece ao menos dois benefícios de saúde para os funcionários, como plano de saúde e odontológico.

Mas ainda são poucas que oferecem um pacote completo para os profissionais (17,8), com opção de plano de saúde, odonto, seguro de vida, bem-estar físico e mental.

A oferta de um cuidado mais integral com os funcionários é proporcional ao tamanho das organizações. E, segundo o estudo, entre aquelas que oferecem pacotes mais completos, 73% empregam mais de 500 funcionários.

“Oferecer benefícios voltados ao cuidado integral da saúde pode promover efeitos duradouros nos médio e longo prazos nas pessoas, diminuindo o gasto com a saúde dos funcionários no decorrer do tempo”, escreveu a empresa no relatório.

Deixe um comentário

Leave the field below empty!

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.