Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
35% das mulheres têm medo de engravidar e perder o emprego, diz pesquisa
Segundo levantamento do site Empregos.com.br, que ouviu 610 profissionais do gênero feminino, 45% delas já participaram de processos seletivos com salários diferentes para mulheres e homens
Por Exame | Tempo de leitura: 2 min
(Halfpoint Images/Getty Images)

Mesmo com o avanço da discussão sobre equidade de gênero nas organizações, o mercado de trabalho continua espinhoso para as mulheres, sobretudo, quando se tornam mães. É o que mostra uma pesquisa do Empregos.com.br, portal de recrutamento e seleção.

Segundo o estudo, que ouviu 610 profissionais do gênero feminino, os problemas começam antes mesmo de conseguir a vaga.

Quase 45% das mulheres já participaram de processos seletivos com salários diferentes para homens e mulheres e 34,3% tiveram dificuldade de conseguir emprego por serem mães. O medo de engravidar e perder o emprego também é uma realidade para 35,9% das entrevistadas.

O levantamento identificou também que a participação das mulheres em cargos de liderança ainda é um desafio. Embora 81,5% delas já tenham sido lideradas por mulheres ao longo da carreira, apenas 35,9% trabalham ou já trabalharam em uma posição de liderança, enquanto a maioria, 64,1%, não tiveram a oportunidade de alcançar o posto.

Assédio sexual ainda é realidade

Quando o assunto é assédio no ambiente de trabalho, metade das mulheres já foram assediadas com palavras, gestos e situações humilhantes. Já o assédio sexual, por meio de comentários pejorativos ou gestos que ferem a integridade, foi vivenciado por 35,4% delas.

Apenas 23,2% das entrevistadas trabalham em empresas com políticas de proteção à mulher, enquanto 57% estão desamparadas. Uma parcela de 19,7% disse não ter essa informação, o que significa que parte das empresas pode ter mecanismos, mas não disseminá-los entre osfuncionários.

Outra pesquisa realizada pelo portal Empregos.com.br, com 343 participantes, listou as principais situações machistas enfrentadas pelas mulheres no mundo corporativo. O manterrupting (40%) – quando uma mulher é interrompida por um homem enquanto tenta explicar algo – foi apontado como a situação mais recorrente no trabalho.

Em seguida aparecem o mansplaining (29%), situação em que o homem tenta explicar coisas óbvias que a mulher já tem conhecimento; gaslighting (18%), quando a mulher é manipulada para duvidar da própria sanidade; e o bropriating (14%), ocasião em que um homem se apropria de algo que a mulher fez ou falou, na tentativa de levar o crédito. Há relatos de mulheres que sofreram duas ou mais destas formas de assédio.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.