Um em cada quatro candidatos rejeita proposta em processos seletivos

O Globo

As empresas estão enfrentando um verdadeiro “leilão” para atrair novos talentos. Para piorar, um em cada quatro candidatos tem rejeitado propostas de emprego em processos seletivos, revela levantamento feito pela Page Personnel , empresa global de recrutamento especializado de profissionais técnicos e de suporte à gestão.

De acordo com os dados, analistas e coordenadores das áreas de TI, finanças e engenharia, onde os salários variam de R$ 4 mil a R$ 8 mil, são os profissionais que mais contribuem para esse cenário.

— Com a falta de talentos no mercado, os candidatos perceberam que conquistaram um poder de negociação. Hoje, os profissionais têm um poder de barganha maior e isso tem impactado nas negociações entre candidatos e empresas. Temos acompanhado muitos processos onde o candidato tem desistido na reta final do processo. Isso acontece muitas vezes em decorrência das contrapropostas que eles recebem das companhias onde trabalham — explica Roberto Picino, diretor-geral da Page Personnel.

De acordo com o executivo, é preciso ter muito cuidado ao rejeitar uma proposta em um processo seletivo, especialmente nas etapas finais:

— Esse mesmo candidato que declina da oferta numa fase tão importante, tem de ter muito cuidado e saber como e quando fazê-lo. Isso pode impactar diretamente na sua carreira, já que por conta disso ele pode deixar de ser convidado para participar de futuros processos seletivos.

Picino alerta que outro aspecto que este profissional deve ponderar é em relação ao seu atual momento na empresa em que atua. Segundo ele, é preciso pesar sua trajetória e ver se realmente vale mesmo a pena aceitar uma proposta financeira mais vantajosa.

— Nem sempre é o que prevalece na carreira — ensina.

O diretor-geral da Page Personnel lista algumas dicas para que o profissional não queime sua imagem e se saia bem em processos seletivos:

— Reflita bastante antes de buscar uma nova oportunidade no mercado. Se essa for a sua opção, esteja convicto de que chegou o momento de mudar de ares profissionais;

—Trocar de emprego é uma opção que cabe apenas ao candidato. Se é isso que deseja, não aceite contraproposta. Se fizer o contrário, mostra que não está convicto de seus propósitos e não está preparado para aceitar a proposta de outra empresa. Há um elo de confiança que pode ser quebrado com a empresa atual se ficar e prejudicar sua imagem com o mercado;

— O candidato tem todo o direito de negociar durante a participação de um processo seletivo. Mas isso tem de ser feito às claras com o recrutador. Deve ser dito qual é seu salário atual, benefícios e dizer qual o percentual que espera lá na frente. Negociar na fase final de maneira exposta pode ser visto como “leilão”.

Deixe um comentário