Salário espanta escolhido para ser CEO da BR Distribuidora

exame

Com 11 milhões de desempregados no país, há um posto de trabalho que está difícil de preencher. Oferecendo 1,5 milhão de reais de salário anual, a Petrobras não conseguiu um presidente para a BR Distribuidora. Após sete meses de procura, a estatal vai ter de recomeçar o processo de recrutamento. A informação é de reportagem do jornal Folha de São Paulo.

Em janeiro, o presidente do conselho de administração da BR, Segen Estefen, havia dito que pagar um salário compatível com o mercado não era problema e que havia excesso de nomes cotados. A questão era apenas definir rápido, segundo ele, mas a projeção de ter um novo presidente até este mês de abril não se concretizou justamente por conta da remuneração.

O candidato escolhido pelo conselho de administração recusou o cargo porque considerou o salário baixo. Além da remuneração, o conselho de administração agora teme que o impeachment da presidente Dilma seja mais um obstáculo que espante executivos.

A missão de recrutar um executivo para o comando da está com a Korn Ferry. Ainda segundo a reportagem, na primeira tentativa 90 executivos foram identificados como potenciais candidatos. Cinco chegaram à mesa do conselho de administração e Guilherme de Paula, presidente da filial da Petronas no Brasil, foi o escolhido. De acordo com o jornal, a diferença entre a oferta e a pretensão salarial foi de um milhão de reais.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário