Até na prostituição se ganha mais com um curso superior


Por norma, quanto mais elevadas as habilitações acadêmicas, maior será o salário. Dois economistas da Universidade Baylor do Texas e da consultora Compass Lexecon, Scott Cunningham e Todd Kendall, decidiram verificar se a regra também se aplica na prostituição, uma área profissional menos pesquisada, analisando o número de horas de trabalho e o vencimento de 700 trabalhadoras do sexo nos EUA e no Canadá. Nesta amostra, 40% das mulheres tinham concluído o ensino superior. O estudo revelou que as mulheres com um curso superior tendem a ganhar mais porque têm mais clientes e sessões mais longas.

“Descobrimos que o fator universidade está relacionado com uma participação menos frequente na prostituição, mas com um número maior de clientes e mais tempo passado com os clientes”, lê-se no relatório do estudo. Nestas sessões mais longas, as trabalhadoras do sexo tendem a conversar mais e a fazer companhia ao cliente, não se limitando a serviços sexuais.

As prostitutas com curso superior até ganham, em média, menos por hora do que aquelas sem grau acadêmico, mas acabam por trabalhar mais horas e têm mais clientes, muitos deles habituais, o que acaba por gerar um rendimento superior às colegas de profissão com menos qualificações. Num dos casos analisados no estudo, mostrou-se que uma trabalhadora do sexo com curso superior ganha aproximadamente mais 33%.

A informação recolhida remonta a 2009, mas as conclusões do estudo só foram publicadas no final de 2016. O relatório, em inglês, está disponível para consulta online.

Um mercado mais moderno e heterogéneo

Grande parte das trabalhadoras do sexo que participaram no estudo trabalham por conta própria ou pertencem a uma agência de acompanhantes, o que, consideram os autores, é “característico de um mercado de prostituição moderno”.

Outra característica nova é a forma como são encontrados os clientes. A prostituição passou a fazer uso de novas ferramentas tecnológicas: agora, as trabalhadoras do sexo podem encontrar e comunicar com clientes através das redes sociais ou de anúncios online. A internet facilita o agendamento dos encontros e, por outro lado, permite selecionar clientes considerados menos perigosos, contrariamente ao que aconteceria nas ruas. Também o risco de serem presas – trata-se, afinal, de uma atividade proibida na maior parte das jurisdições norte-americanas e canadenses – é menor do que na rua.

Por último, o estudo sugere que a indústria do sexo é mais diversificada do que aparenta ser através da velha imagem da prostituição de rua. Dentro do mercado atual, tendem a existir dois modelos de oferta: um que se resume ao sexo e em que os riscos são maiores para as trabalhadoras e, por outro lado, outro em que os riscos são menores e as sessões incluem mais do que sexo – sobretudo conversa e companhia. Neste último, as trabalhadoras do sexo que tenham estudos superiores tendem a estar em vantagem, já que ao longo do seu percurso desenvolvem os chamados soft skills, úteis na comunicação interpessoal.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário