5 lições de carreira para aprender com ‘Bohemian Rhapsody’

Erros e acertos de Freddie Mercury podem nos ensinar profissionalmente

Sucesso de crítica e bilheteria, ‘Bohemian Rhapsody’ já é um dos maiores fenômenos de 2018. Desde sua estreia, o longa já levou mais de 2 milhões de espectadores brasileiros ao cinema e mundialmente já ultrapassou as cifras de US$ 400 milhões em arrecadação.

O sucesso do filme inequivocamente se deve ao enorme talento e carisma do seu protagonista na vida real, mas também às várias lições que a vida do cantor pode nos ensinar.

Thallys Ferreira, diretor de RH da Trainee RH, ressalta que “todos deveriam ter um pouco de Freddie Mercury em sua trajetória profissional” e destaca cinco pontos a serem aprendidos.

Iniciativa

O jovem Farrokh Bulsara, que mais tarde viria a ser Freddie Mercury, mostrou iniciativa ao procurar a banda que ouviu tocar e, ao saber da vaga para vocalista, não hesitou em se candidatar.

“Ainda que sofrendo um preconceito inicial, ele manteve a proatividade e demonstrou seu potencial”, analisa Thallys.

Ousadia

“Não querendo se parecer com o que estava posto, ele não teve medo de arriscar”, afirma Ferreira. Mesmo tendo pouco a perder em seu início de carreira, Mercury quis impor sua marca, quebrar paradigmas.

“Quando alguém nos diz que devemos fazer de tal forma, porque assim é feito há anos, isso nos limita e impossibilita de deixarmos nossa marca. Devemos ser inovadores, tal qual ele foi, ao, por exemplo, bancar uma música de 6 minutos nas rádios, ainda que isso custasse a quebra de seu contrato”.

Percepção do mercado

Em determinado momento, percebendo os anseios de seu público e o espaço que havia no mercado, Freddie defende que o Queen não seja somente uma banda de rock, e propõe novos caminhos a seguir.

Thallys diz que “muitos acharam ele louco por sair da zona de conforto, mas os frutos colhidos mostraram que vale a pena, quando feito de forma planejada”.

Atenção ao seu redor

“Nunca delegue a gestão de sua carreira a ninguém, mantenha sempre as rédeas da situação”, sugere Ferreira.

No longa, Freddie, sempre ocupado, acabou delegando grande parte de sua vida profissional a Paul Prenter.

“Talvez o relacionamento amoroso não tenha permitido que ele percebesse quem de fato era Paul. Mesmo com seus colegas de banda alertando, permitiu que boicotasse o conjunto, explorasse seu sucesso e ainda vendesse suas histórias confidenciais à mídia britânica. É sempre bom ficar atento a certos Paul’s em nossa carreira”.

Reconhecimento de erros

Quando percebeu o que de fato havia acontecido, o protagonista procura seus antigos colegas de banda e pede desculpas, reconhecendo seus erros.

“Mostrou uma maturidade, admitindo que o sucesso dele foi construído com os amigos e que eles eram partes integrantes de um todo”, finaliza o diretor de RH.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário