5 coisas para fazer depois da entrevista de emprego

Exame

O fim da entrevista de emprego nem sempre traz um ponto final para o nervosismo comum à maioria dos candidatos. Para muita gente, a ansiedade só aumenta após despedir-se do recrutador.

São as experiências que poderiam ter sido relatadas e não foram. Ou as histórias que jamais deveriam ser contadas – e foram (em minúcias).

As questões que atormentam a cabeça de um candidato nos dias seguintes à conversa com a empresa que oferece a vaga são inúmeras. E o cenário só piora à medida que o tempo passa e nenhuma resposta vem.

O que fazer neste silencioso espaço de tempo? Segundo as especialistas ouvidas, a resposta é muito – e ligar para a empresa ou consultoria é o último item da lista de afazeres.

“O tempo do candidato e o do recrutador são muito diferentes. Uma semana é uma eternidade para quem espera. Para o recrutador, é só uma semana”, diz Eliane Figueiredo, da Projeto RH. Provavelmente, de agenda cheia para ele.

Ou seja, não precisa se desesperar caso ele não tenha dado uma resposta ainda. Até porque as suas atitudes ao lidar com este período de espera podem, sim, exercer certa influência nesta seleção ou em outras.

“Uma postura madura pode ser decisiva para que ele seja chamado até para outro processo”, diz Adriana Prates, da Dasein Executive Search.

Confira as dicas das duas especialistas para levar “numa boa” o tempo entre o final da entrevista e a divulgação do resultado.

1 Coloque o combinado na agenda

O segredo para passar por este período de limbo do processo de seleção sem qualquer crise está nas perguntas que você faz antes de falar adeus para o recrutador.

Lembre-se: a entrevista não é uma sabatina em que o entrevistador é o único com poderes para tirar informações. O candidato também tem direito a tirar dúvidas – e questões sobre as próximas etapas do processo podem (e devem) entrar em pauta.

Neste ponto, Adriana sugere algumas perguntas: “Quais são as próximas etapas? Quando ocorrerão? Quando a empresa pretende dar uma resposta? Se entrar em contato, é melhor por telefone ou e-mail?”, enumera.

Com estas respostas em mente, programa-se e ajuste seus níveis de ansiedade. Por exemplo, se a empresa disse que teria uma resposta em uma semana, não adianta ligar no dia seguinte perguntando se eles chegaram a alguma conclusão.

2 Feche-se para balanço 

Esta é a hora para colocar a si mesmo (e suas atitudes durante o processo) na berlinda. Relembre as perguntas feitas e a maneira como você as respondeu: você deixou de falar alguma coisa importante ou falou além da conta? E quanto à sua postura? Seguiu todos os conselhos para cativar o recrutador?

Caso seu balanço seja negativo, atenção para não se afundar em mais ansiedade. Antes, tenha sempre em mente que esta reflexão é o caminho para o aprimoramento, como afirma Eliane. “Ela pode te ajudar até na próxima etapa”, diz.

3 Mire quem será referência

Depois da entrevista, alguns recrutadores entram em contato com as pessoas que você sugeriu para checagem de referências. Para que ninguém seja pego de surpresa, ligue ou envie e-mail para elas avisando que alguém pode contatá-los.

Neste momento, o máximo que você pode fazer é lembrar seus antigos chefes, colegas ou clientes dos projetos em que trabalharam juntos e de alguns resultados – apenas como medida para “refrescar” a memória deles, nada além disso.

“Quando a referência é manipulada, dá para perceber”, diz Adriana. E isso, no fim, pode ser um belo (e doloroso) tiro no pé.

4 Use as redes sociais para interagir com o mercado 

Se não tinha feito isso antes (deveria, diga-se de passagem), aproveite para fazer uma faxina nas suas redes sociais. Isso não significa que você precisa apagar todos os posts, digamos, pessoais demais, mas, pelo menos, restringir o acesso a eles, por exemplo.

Caso já tenha feito isso, use este tempo livre para aprender mais sobre a empresa. Isso pode ser valioso para as próximas etapas do processo. Se já estava na última fase da seleção, aproveite para pesquisar outras vagas e preparar sua marca pessoal online para as próximas oportunidades.

Outro ponto: se você não combinou com o recrutador, não vale adicioná-lo no LinkedIn. Facebook? Nem pensar. No máximo, você pode segui-lo no Twitter.

5 Entre em contato (do jeito certo)

Só entre em contato com o recrutador após o prazo que ele afirmou ter uma resposta. Se a data chegou e ele não entrou em contato, espere cerca de dois dias para ligar ou enviar um e-mail.

Caso ele ainda não tenha uma resposta, pergunte se pode entrar em contato novamente mais para frente. Se ele concordar, ótimo. Se não, fique na sua e aguarde. No máximo, envie um e-mail um mês após a última conversa.

Deixe um comentário